sábado, 26 de maio de 2012

Os Velhos Marinheiros - Jorge Amado

Os Velhos Marinheiros - Jorge Amado

"Com a luneta ao olho examinou a cidade, as casas de azulejos portugueses, a pitoresca agitação do mercado Ver-o-Peso, o ancoradouro do Port-of-Pará, onde ia encostar o Ita. Os oficiais de bordo estavam todos na ponte, mesmo o Comissário. O Imediato ditava ordens. O navio aproximava-se. Vasco detinha-se nas bandeiras dos cargueiros e paquetes ancorados: ia o Ita, segundo tudo indicava, ficar ao lado de um cargueiro inglês, mais adiante estava um pequeno navio do Lloyd Brasileiro, um iate vindo da Guiana Francesa, além das gaiolas numerosas. Do barco inglês, marujos loiros saudavam com a mão. O Comandante pensou que sua missão estava finda, pois as máquinas reduziam o ritmo, quase deixando de trabalhar. O navio chegava ao seu destino. (...) Carregadores ofereciam seus serviços, mostravam os números no peito. Tudo correra bem, pensou o Comandante. Foi nesse momento, quando um sorriso de perfeita satisfação abriu-se em seus lábios, que ressoou aos seus ouvidos a voz do Imediato, cercado por todos os oficiais de bordo, o Comissário inclusive:
- Comandante!"

Transcrito de "A Completa Verdade sobre as Discutidas Aventuras do Comandante Vasco Moscoso de Aragão, Capitão de Longo Curso" em Os Velhos Marinheiros, de Jorge Amado (pág. 283). Romance. 23a. Ed. São Paulo: Martins, 1970.

Jorge Amando tem sido a mais rica fonte para este modesto blog, um Cargueiro que navega na rede e tem a pretensão de levar as letras aos internautas. Como o objetivo é que as citações literárias tenham algum elo com o comércio exterior, grande parte delas retratam o universo dos portos e da navegação. O livro Os Velhos Marinheiros tem o subtitulo "duas histórias do cais da Bahia". São duas histórias deliciosas, a do Comandante de Longo Curos citada e Quincas Berro D'Água. As histórias têm como protagonistas duas figuras características do universo ficcional de Jorge Amado, que não abrem mão do direito de comandar seus destinos na terra, sem abdicar do direito de sonhar. O romance alia humor, drama, ternura e sobretudo poesia. Ao final, o narrador indaga aos leitores onde está a verdade: "está naquilo que sucede todos os dias, nos quotidianos acontecimentos, na mesquinhez e chatice da vida da imensa maioria dos homens ou reside a verdade no sonho que nos é dado sonhar para fugir da nossa triste condição? Como se elevou o homem em sua caminhada pelo mundo: através do dia a dia de miséria e futricas, ou pelo livre sonho, sem fronteiras nem limitações?" Esse é o grande Jorge Amado a nos provocar e incentivar a ter um vida menos mesquinha. Salve Jorge!!
Por F@bio