quarta-feira, 27 de abril de 2011

Marinheiro Triste - Manuel Bandeira

De: Manuel Bandeira

"Marinheiro triste
Que voltas para bordo
Que pensamentos são
Esses que te ocupam?
Alguma melhor
Amante de passagem
Que deixaste longe
Num porto de escala?
Ou tua amargura
Tem outras raízes
Largas fraternais
Mais nobres mais fundas?
Marinheiro triste
De um país distante
Passaste por mim
Tão alheio a tudo
Que nem pressentiste
Marinheiro triste
A onda viril
De fraterno afeto
Em que te envolvi.

Ia triste e lúcido
Antes melhor fora
Que voltasses bêbedo
Marinheiro triste!
E eu que para casa
Vou como tu vais
Para o teu navio
Feroz casco sujo
Amarrado ao cais,
Também como tu
Marinheiro triste
Vou lúcido e triste.
Amanhã terás
Depois que partistes
O vento do largo
O horizonte imenso
O sal do mar alto!
Mas eu, marinheiro?

- Antes melhor fora
Que voltasse bêbedo."

Obtido de: http://books.google.com.br/books?id=bOnlcOoMNowC&pg=PA65&lpg=PA65&dq=poesia+%2B+porto+%2B+cais+%2B+navio+%2B+manuel+bandeira&source=bl&ots=WyeKiNUic2&sig=5iFAwy89yyShU-iE6HsxDfwHlj8&hl=pt-BR&ei=RuiXTcvlNKWx0QHV8IHlCw&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=5&ved=0CDQQ6AEwBA#v=onepage&q&f=false

Manuel Bandeira mestre da poesia aqui nos fala do marinheiro, o homem do mar, que deixa a terra firme (??) para se lançar ao mar, solitário. Ficam pra trás a amante, os amigos, a casa, o cais...
Vai descortinar o largo horizonte, desbravar o mar, encontrar outros amigos, amantes, casa e cais.
Marinheiro alheio que sempre volta pra bordo, suas raízes não estão aqui, mas em todo lugar, no mar, em outras terras, será?
Por isso o poeta o prefere bêbado, para sem lucidez alguma não partir o coração de quem fica.
Por
F@bio