quinta-feira, 9 de março de 2017

Poema nº 18 - Pablo Neruda

"Aqui te amo.

Nos sombrios pinheiros desenreda-se o vento.

Brilha a lua sobre as águas errantes.

Andam dias iguais a se perseguir.

Dissipasse a névoa em dançantes figuras.

Uma gaivota de prata desprende-se do ocaso.

Às vezes uma vela. Altas, altas estrelas.

Ou a cruz negra de um barco.

Sozinho.

Às vezes amanheço, e até a alma está úmida.

Soa, ressoa o mar ao longe.

Este é um porto.

Aqui te amo.

Aqui te amo e em vão te oculta o horizonte.

Estou te amando mesmo entre estas frias coisas.

Às vezes vão meus beijos nesses navios graves,

Que correm pelo mar até onde nunca chegam.

Já me vejo esquecido como estas velhas âncoras.

São mais tristes os cais quando atraca a tarde.

Cansa-se minha vida inutilmente faminta.

Amo o que não tenho. Tu estás tão distante.

Meu tédio luta com os lentos crepúsculos.

Porém a noite chega e começa a cantar-me.

A lua faz girar a sua roda de sonho.

Olham-me com teus olhos as estrelas mais grandes.

E como eu te amo, os pinheiros no vento,

Querem cantar o teu nome com as folhas de arame."


Obtido em: http://www.amoremversoeprosa.com/imortais/311poema18.htm

Pablo Neruda é o pseudônimo de Ricardo Eliécer Neftalí Reyes Basoalto (1904 - 1973). 
Poeta chileno considerado um dos mais importantes do século XX. Seu pseudônimo foi escolhido para homenagear o poeta tcheco Jan Neruda. Sua obra é lírica, plena de emoção e marcada por um acentuado humanismo. Em seu livro de estréia, com apenas 20 anos, Crepusculário (1923), já se assinou Pablo Neruda que, em 1946, passou a usar legalmente. Sua fama tornou-se maior com a publicação de vinte poemas de amor e uma canção desesperada (1924).

Alternando a vida literária com a diplomática, Neruda era o embaixador chileno na França quando ocorreu o golpe de Estado que depôs o presidente Salvador Allende. De volta ao Chile, sofreu perseguições políticas e morreu pouco depois, sendo enterrado em sua casa de Isla Negra, ao sul do Chile. Em sua obra destacam-se Residência na Terra (1933), España en el corazón (1937, inspirado na Guerra Civil Espanhola), Canto Geral (1950), Cem sonetos de amor (1959), Memorial de Isla Negra (1964), A espada incendiada (1970) e a autobiografia póstuma, Confesso que vivi (1974), um emocionante testemunho do tempo e das emoções de um grande poeta. Em 1971, Neruda recebeu o Prêmio Nobel de Literatura e o Prêmio Lênin da Paz. Antes havia sido agraciado com o Prêmio Nacional de Literatura (1945) (leia mais em https://pensador.uol.com.br/autor/pablo_neruda/biografia/).


Recentemente assisti ao filme Neruda, do diretor Pablo Larraín, no qual o poeta é mostrado com o "escritor que, em 1948, aos 44 anos, começa a construir o mito de si mesmo. Como senador, critica o Governo no Congresso, é desaforado, é perseguido pelo agente Peluchonneau e, com sua esposa, a argentina conhecida como A Formiguinha (La hormiguita), tenta sem sucesso sair do país. Começa então a fase de clandestinidade e o poeta se transforma em arma. Escreve Canto Geral, realiza excursões noturnas secretas e sua lenda, que cresce em todo o mundo, faz com que artistas como Pablo Picasso clamem por sua liberdade internacionalmente. No filme, perseguidor e perseguido se fundem, um respira o hálito do outro, e o autor se reinventa até se tornar o mito literário e político que veio a ser."

Num período pouco explorado da vida de Neruda: "aquele em que o escritor foi perseguido pelo Governo do chileno Gabriel González Videla, que decretou em 1948 a chamada Lei Maldita contra os militantes comunistas. Já uma figura relevante do mundo das letras, foi nessa época que Neruda acabou de dar forma à personalidade política que marcou os 25 anos seguintes de sua vida até sua morte em setembro de 1973."

Conforme Larraín, o filme tem "elementos políticos e poéticos, mas, no fundo, é um filme sobre um policial que dá sentido a sua vida ao perseguir o poeta”. A obra é uma ficção, que inclui elementos de policial, comédia e drama. “Neruda entende que, se conseguir escapar, fará com que sua voz seja mais forte, maior, mais ouvida. Nessa volta, se transforma em um gigante, em uma lenda”.
Por F@bio

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

A morte na mala - Boris Fausto

"A MORTE NA MALA. Ciúme, intriga e assassinato nas comunidades imigrantes de São Paulo nas primeiras décadas do século XX.

Aquele 7 de outubro de 1928 era um dia rotineiro no porto de Santos. Uma chuva miúda caía sobre o cais, enquanto alguns navios embarcavam cargas e passageiros. Um guindaste içava as bagagens do vapor de bandeira francesa Massilia, com destino a Bordeaux. De repente, nessa operação, várias malas e um baú se soltaram do guindaste e se estatelaram nas pedras do cais, diante do armazém nº 13.

Pelo forte cheiro que exalava, o baú despertou suspeitas. Trancado a sete chaves e amarrado por uma corda de juta, trazia indicações de que viera de São Paulo pela SPR – a Inglesa, como era conhecida a ferrovia que ligava São Paulo a Santos. Policiais se aproximaram, abrindo caminho entre os curiosos que começavam a se aglomerar. Rompida a fechadura, cortada a corda que envolvia o baú, surgiu o corpo despedaçado de uma mulher clara, delgada, coberta com partes de um vestido. Alguns objetos prosaicos acompanhavam os despojos. Entre eles, uma caixinha de pó de arroz Coty, um frasco de pastilhas para a garganta, outro de perfume e um missal impresso em italiano.

A notícia lúgubre espalhou-se de boca em boca, antes mesmo de sair nos jornais. Nessas primeiras horas de incerteza, muita gente especulava se, pelas circunstâncias do crime, o autor daquela barbaridade não seria Michel Trad, de regresso ao Brasil."

Parte de um artigo de autoria de Boris Fausto publicado na Revista Piauí, nº 95, agosto de 2014. (http://piaui.folha.uol.com.br/materia/a-morte-na-mala/)

Boris Fausto nascido em São Paulo (1930) é historiador, cientista político e escritor. Graduado em Direito e História pela Universidade de São Paulo (USP), na qual lecionou ciência política. Na USP também obteve os títulos de doutor em História e livre docência em Ciência Política. É membro da Academia Brasileira de Ciências.

No artigo publicado na Piauí, o autor relata dois crimes macabros nos quais mulheres foram assassinadas, esquartejadas e seus corpos acondicionados em malas despachadas como bagagem, com destino à Europa, por dois imigrantes, um sírio e outro italiano. Nos dois casos, os criminosos foram desmascarados e condenados, tendo cumprido longas penas de reclusão.

Boris Fausto tratou também de um outro crime bárbaro no livro "O crime do restaurante chinês: Carnaval, futebol e justiça na São Paulo dos anos 30", editado pela  Companhia das Letras, 2009.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Bairro do Recife: Adolescência - Gastão de Holanda

BAIRRO DO RECIFE: ADOLESCÊNCIA

De Gastão de Holanda

"Zona portuária, espectro de blenorragia
                              e cargueiros.
A puta se mira no espelho
mão no queixo, como se perguntasse:
          — Que meios, para atravessá-lo?
Eu responderia:
          — Mil vezes, o outro lado.
Ela sorri pelo canto amargo da boca
e desaparece atrás do biombo chinês.
Ouço o chocalhar das abluções
          como as mareias no casco do cargueiro.
Considero o toucador colorido,
espectro de enormes vidros de loção.
Estou nu como uma garrafa,
nudez de vidro,
                        o quarto é o Éden."


Obtido de: http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/pernambuco/gastao_de_holanda.html



Gastão de Holanda foi advogado, jornalista, professor, poeta, contista, editor, designer gráfico brasileiro. Nascido no Recife em 11 de fevereiro de 1919. Quando estudante universitário pela Faculdade de Direito de Recife, pela qual se formou em 1951, participou do Teatro do Estudante de Pernambuco. Foi professor de História do Teatro Brasileiro e Artes gráficas na Escola de Belas Artes do Recife e História da Arte no Curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Pernambuco.

Em 1954 fundou no Recife a editora O Gráfico Amador, juntamente com Aloísio Magalhães, José Laurenio de Melo, Orlando da Costa Ferreira e Ariano Suassuna, em cujas oficinas foram impressos e editados livros de Carlos Pena Filho, Mauro Mota, Carlos Drummond de Andrade, João Cabral de Melo Neto, Hermilo Borba Filho, Francisco Brennand entre outros. Ressalte-se que na época o design era insipiente no Brasil, sendo ainda maior o pioneirismo de Gastão de Holanda e Aloísio Magalhães, este que veio a se tornar um dos maiores nomes do design brasileiro, criador de logomarcas de destaque com as do Banco do Brasil, Banco Central, Souza Cruz, Light, Petrobras.


Em  1972 mudou-se para  o Rio de Janeiro, cidade na qual também exerceu a função de editor e onde veio a falecer em 11 de junho de 1997.


Região portuária e degradação parecem sempre estar associadas, em que pese revitalizações ocorridas nas principais cidades costeiras do mundo. Mas o cenário decadente serve bem aos poetas e escritores em geral. Ambientes sujos, escuros, abandonados, sucateados, blenorrágicos, bem distante do Éden paradisíaco das religiões. Nele o Éden está do outro lado, o do prazer mundano da carne, do ópio, do álcool, do fumo, onde um sorriso amargo pode surpreender e eventualmente deixar marcas de batom no espelho carcomido.
Por F@bio

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Trem de ferro - Manuel Bandeira

Trem de ferro

Café com pão
Café com pão
Café com pão
Virgem Maria que foi isto maquinista?
Agora sim
Café com pão
Agora sim
Café com pão
Voa, fumaça
Corre, cerca
Ai seu foguista
Bota fogo
Na fornalha
Que eu preciso
Muita força
Muita força
Muita força
Oô..
Foge, bicho
Foge, povo
Passa ponte
Passa poste
Passa pasto
Passa boi
Passa boiada
Passa galho
De ingazeira
Debruçada
Que vontade
De cantar!
Oô…
Quando me prendero
No canaviá
Cada pé de cana
Era um oficia
Ôo…
Menina bonita
Do vestido verde
Me dá tua boca
Pra matá minha sede
Ôo…
Vou mimbora voou mimbora
Não gosto daqui
Nasci no sertão
Sou de Ouricuri
Ôo…
Vou depressa
Vou correndo
Vou na toda
Que só levo
Pouca gente
Pouca gente
Pouca gente…


Obtido de: http://eraumavezuem.blogspot.com.br/2012/12/viajando-no-trem-de-ferro-de-manuel.html


Manuel Carneiro de Sousa Bandeira Filho, nasceu em Recife, dia 19 de abril de 1886 e morreu aos 82 anos, no Rio de Janeiro, no dia 13 de outubro de 1968. Um dos maiores poetas do Brasil, foi também crítico literário e de arte, professor de literatura e tradutor brasileiro. Escreveu alguns poemas que também encantam as crianças, como Trem de Ferro e A Onda (veja postagem neste blog).

Interessante como Bandeira elaborou o poema para que sua leitura remetesse a imagens acústicas que lembram os sons produzidos por um trem em movimento, particularmente o trem a vapor, conhecido como Maria Fumaça no Brasil. A musicalidade está presente na obra de Bandeira e Trem de Ferro faz "a alegórica da cadência do trem em diferentes velocidades".

O trem teve grande importância na formação econômica do Brasil, que contou com uma das maiores malhas ferroviárias do mundo no início do século XX. Ocorre que houve uma grande guinada em meados do século passado em favor da indústria automotiva: "Governar é abrir estradas" foi o lema do governo Washington Luiz. Essa indústria passou a ter
importância fundamental nas políticas econômicas implementadas pelos diferentes governos nacionais desde então. Com isso, deu-se o sucateamento da malha ferroviária que não se recuperou até os dias de hoje, mesmo após ser privatizada, diferentemente dos principais países do mundo que contam com relevante participação desse modal no transporte de cargas.

Ao observar a rede de linhas férreas do Brasil, verifica-se que quase todas tinham como destino final um porto, para onde levavam cargas de exportação, particularmente de produtos agrícolas e minerais, e no retorno traziam cargas de importação, geralmente produtos manufaturados e combustíveis.

O poema de Bandeira nem precisava ser musicado, mas o foi magistral e deliciosamente pelo maestro Tom Jobim em 1986.



Ô trem bão sô!
Por F@bio

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Pralapracá - Cassiano Ricardo

Pralapracá


E começa a longa história
do navio que ia e vinha
pela estrada azul do Atlântico:

Ia, levando pau-brasil
e homens cor da manhã, filhos do mato,
cheios de sol e de inocência;
vinha trazendo degredados...

Ia, levando uma esperança;
vinha trazendo foragidos de outras pátrias
para a ilha da Bem-aventurança.

Ia levando um grito de surpresa,
da terra criança;
e vinha abarrotado de saudade
portuguesa ...


Obtido do site da Fundação Cultural Cassiano Ricardo: http://www.fccr.sp.gov.br/index.php/institucional/151-cassiano-ricardo/577-livro-08?showall=1

Jornalista, poeta e ensaísta nascido em São José dos Campos - SP (1895). Estudou em São Paulo e Rio de Janeiro. Participou da Semana de Arte Moderna de 1922. Transitou do simbolismo ao modernismo e concretismo. Foi um ativista incansável. No modernismo participou dos grupos "Verde Amarelo" e "Anta". Trabalhou nos jornais Correio Paulistando (SP) e A Manhã (RJ). Fundou as revistas: Novíssima e Planalto. Presidiu o Clube da Poesia em São Paulo. Foi das Academias Paulista de Letras e Brasileira de Letras.
Pralapracá  é a síntese do comércio exterior. Carga vai carga vem. Mas também vai esperança e volta saudade. Neste blog foi publicada a poesia "Céu e Mar" de Cassiano Ricardo. Salve o grande poeta sãojoanense.
Por F@bio

domingo, 11 de dezembro de 2016

Yann Andréa Steiner - Marguerite Duras

"Havia a sua voz. A voz de uma inacreditável doçura, distante, intimidadora, apenas pronunciada, apenas perceptível, sempre um pouco distraída, estranha ao que dizia, separada. Ainda hoje, doze anos depois, escuto essa voz que você tinha. Ela se infiltrou no meu corpo. Não tem imagem. Fala de coisas sem importância. E se cala também.
Nós falamos, você falou da beleza do hotel Roches Noires.
Depois ficou silencioso, como se procurasse a forma de dizer o que tinha a me dizer. Você não ouvia a calma crescente que vinha com a noite, tão profunda que fui à varanda para vê-la. De tempos em tempos, automóveis passavam diante de Roches Noires, iam para Honfleur ou para o Havre. O Havre, como todas as noites, estava iluminado como para um festa, e o céu ficava por cima da cidade, nu, e entre o céu e o farol de Sainte-Adresse havia o negro cortejo dos petroleiros, que desciam, como de hábito, para os portos da França e do Sul da Europa.
Você se levantou. Olhou-me através das vidraças. Continuava com aquele ar de profunda distração."

Transcrito do livro "Yann Andréa Steiner" (pags. 18 e 19), de Marguerite Duras, tradução de Maria Ignez Duque Estrada. Rio de Janeiro : Nova Fronteira, 1993.



Marguerite Duras, pseudônimo de Marguerite Donnadieu, nasceu em 1914, na cidade de Saigon (atual Cidade de Ho Chi Minh) e faleceu em Paris, em 1996. Um dos mais importantes nomes da literatura francesa do Século XX, foi romancista, novelista, roteirista, poetisa, diretora de cinema e dramaturga. Viveu no Vietnã até 1932 quando mudou-se para Paris. Durante a 2ª Guerra Mundial engajou-se na Resistência Francesa. Estudou Direito, mas tornou-se escritora e obteve fama mundial com o romance "O Amante", com o qual ganhou o prêmio Goncourt de 1984. É autora de diversas peças de teatro, novelas, filmes e contos. Foi associada ao movimento chamado nouveau roman (novo romance) e com o existencialismo. Além O Amante, outros livros de destaque foram A Dor, O Amante da China do Norte e O Deslumbramento. Ficou também conhecida como a roteirista do filme "Hiroshima, meu amor", dirigido por Alain Resnais. Mas dirigiu filmes próprios, inclusive o conceituado "India Song" de 1976, porém sem o renome alcançado na carreira literária.
No trecho reproduzido do livro Yann Andréa Steiner, Duras faz referência ao porto de Havre, iluminado pelos navios petroleiros. O romance que prima pela linguagem coloquial que marcou a obra de Duras, traz uma narrativa fragmentada, num ritmo quase cinematográfico. O texto é bastante poético e com forte carga emocional, com frases curtas e diálogos desconcertantes, possíveis referências autobiográficas e ambientação cambiante.
Sobre seu ofício, Duras escreveu: "Por que algumas pessoas têm necessidade de viver duas vezes? Uma quando vivem, a outras quando escrevem? E por que a segunda vez é a mais importante? Isso é tão mais misterioso como concluir que as horas de sono e de sonho são mais importantes que as de vigília ... O dia é legível, a noite ilegível. O escritor é aquele que pode ler a noite. A gente nunca sabe aonde um bom escritor quer nos levar..."
Por F@bio 

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Ver Navios - Haroldo de Campos


VEM NAVIO
   VAI NAVIO
      VIR NAVIO
         VER NAVIO
            VER NÃO VER
         VIR NÃO VIR
      VIR NÃO VER
VER NÃO VIR
   VER NAVIOS


Haroldo de Campos (1929 - 2003), paulistano, poeta, tradutor e professor. Haroldo e o irmão Augusto foram dois dos grandes nomes da poesia concreta, parte do Concretismo, movimento artístico originário do Abstracionismo Geométrico que a partir do anos 30 do Século passado marcou a criação plástica e poética na Europa. A poesia concreta procura valorizar o espaço e o grafismo,  tornando a pontuação desnecessária, pois espaço e a forma geométrica dão às palavras uma maior plasticidade.

Em 1952, Haroldo, Augusto e Décio Pignatari rompem com o Clube da Poesia do qual faziam parte desde 1949, por divergirem do conservadorismo predominante. Criam o grupo "Noigandres" e passam a publicar poemas em sua revista. Em 1956 lançam o movimento concretista, ao qual Haroldo se manteve fiel até 1963, quando volta-se para o projeto do livro-poema "Galáxias".

A seguir, uma análise sucinta e interessante do poema feita pelo professor Kleber Henrique (http://poemasdeamoremorte.blogspot.com.br/2011/02/poesia.html):

"Nessa poesia de Haroldo de Campos, nota-se a decomposição da expressão “ver navios” a fim de produzir novas significações. Além das oscilações produzidas pela repetição (assonância) do fonema / v /, o que nos remete ao balanço do mar, vejo a tensão da espera do eu-lírico pelo navio que nunca vem na consoante / r /. A hesitação do seu humor e a angústia da possibilidade da chegada com a frustração da ausência, afiguram-se na variação dos ditongos / io / do começo com o / ão / a partir do verso 5, enfim, a náusea de ficar a “ver navios”."

Assim, à configuração gráfica que remete a um barco, junta-se o som da correta dicção, com suas pausas e acentos, a provocar o sentimento que o texto traz implícito. É o poeta ampliando as sensações da letra de sua poesia.
Por F@bio

terça-feira, 8 de novembro de 2016

A Carga - Ledo Ivo

Uma rua me conduzia até o porto.
E eu era a aruá com as suas janelas dilaceradas
E o sol depositado na areia materna.
Eu levava para a beira do mar tudo o que surgia
À minha passagem: portas, rostos, vozes, colônias de cupim e
Réstias de cebola que amadureciam na sombra
Dos armazéns providos. E sacos de açúcar. E as chuvas
Que haviam enegrecido os telhados das casas.
Era um dia de dádivas. Nada estava perdido.
As ondas celebravam a beleza do mundo.
A terra ostentava a promessa de vida.
E eu depositava a minha leve carga
Nos porões dos navios enferrujados.


Obtido de http://www.antoniomiranda.com.br/iberoamerica/brasil/ledo_ivo.html


Lêdo Ivo - jornalista, poeta, romancista, contista, cronista e ensaísta brasileiro. Foi membro da Academia Brasileira de Letras. Alagoano, nascido em Maceió em 1924 faleceu em 2012 em Sevilha, Espanha.

Todos carregamos nossas cargas de vida. Lembranças, dores, amores, sonhos, recordações, espantos, assombrações, medos, o sol e o sal. Levamo-nas em nossa jornada pelos caminhos que temos que trilhar até poder depositá-las nos depósitos de nossas memórias, navios enferrujados, revolvidos em nossas terapias.
Por F@bio

quarta-feira, 11 de maio de 2016

O Retrato de Dorian Gray – Oscar Wilde

“De repente, o cocheiro deteve o cavalo brutalmente na parte superior de uma ruela escura. Por cima dos telhados baixos e das fileiras irregulares de chaminés das casas, podiam-se ver os mastros negros de alguns barcos. A névoa esbranquiçada aglomerava-se em torno das vergas, como velas fantasmagóricas.
- Não é por aqui, senhor? – perguntou o cocheiro, com sua voz rouca, pela janelinha.
Dorian estremeceu, observando à sua volta.
- Sim, é aqui – respondeu, e desceu apressadamente. Entregou ao cocheiro a gratificação prometida e dirigiu-se rapidamente ao cais.
Aqui e ali brilhavam as lanternas colocadas na popa de algum enorme navio mercante. A luz se movia e ia refletir-se nas poças de água. Uma claridade avermelhada desprendia-se de uma grande embarcação que fazia seu carregamento de carvão. A calçada enlameada assemelhava-se a um impermeável molhado.
Estugou o passo em direção à esquerda, olhando para trás de vez em quando, para ver se estava sendo seguido. Ao fim de sete ou oito minutos, chegou a um miserável casebre, que se erguia humilde entre duas fábricas modestas. Em uma das janelas superiores, havia uma lâmpada. Deteve-se e bateu de modo especial.
Pouco depois, ouviram-se passos no corredor e o barulho de correntes que se desprendiam. A porta abriu-se silenciosamente e ele entrou sem endereçar sequer uma palavra à figura informe que desapareceu na escuridão, quando ele penetrou na habitação. No fim do vestíbulo, estava pendurada uma cortina verde e esfarrapada, que o vento tempestuoso da rua ergueu por um momento. Dorian afastou-se e entrou em um grande aposento de teto baixo que tinha o aspecto de um salão de baile de terceira classe. Alguns lampiões de gás, de chama viva e fulgurante, projetavam suas imagens deformadas, nas paredes. Refletores de metal ensebados, colocados na parte posterior, formavam trêmulos discos de luz. O solo estava coberto de serragem amarela, já bastante pisada e misturada com barro, e notavam-se nele manchas arredondadas e escuras de vinho derramado. Alguns malaios, acocorados junto a um fogareiro de carvão, jogavam dados de osso, e quando falavam mostravam dentes alvos. Em um canto, a cabeça oculta entre os braços, jazia um marinheiro estendido sobre a mesa...
No extremo da sala havia uma escadinha que conduzia a um quarto escuro. Dorian subiu precipitadamente os três degraus desengonçados e imediatamente chegou ate ele um forte odor de ópio. Lançou profundo suspiro e as asas de seu nariz vibraram de prazer. Quando entrou, um jovem de cabelos louros e lisos, que se inclinava sobre uma lâmpada, para acender um cachimbo longo e delgado, olhou-o e dirigiu-lhe uma saudação hesitante.
- Você aqui, Adrian? – murmurou Dorian.
- Onde haveria de estar? – respondeu com indiferença. – Meus amigos agora já não me dirigem a palavra.
- Pensei que você havia deixado a Inglaterra.
- Não. Darlington já não vai fazer nada. Meu irmão pagou finalmente a letra. George também já não fala comigo ... Que me importa! ... – acrescentou com um suspiro – enquanto tiver essa droga, não precisarei de amigos. Acho que tive amigos demais.
Dorian recuou e olhou em volta as figuras grotescas que jaziam nas mais fantásticas posições sobre os colchões esfarrapados. Experimentava verdadeira fascinação ao ver aqueles olhos fixos e sem brilho. Conhecia bem os paraísos estranhos em que eram acolhidos e os infernos tenebrosos que tinham de enfrentar para atingir o segredo de um novo prazer. Estavam melhor que ele que era prisioneiro de seu pensamento. A memória corroia a sua alma como horrenda moléstia. De vez em quando, tinha a impressão de ver os olhos de Basílio Hallward a fixá-lo. Ali não poderia permanecer, todavia. A presença de Adrian Singleton perturbava-o. Precisava de um lugar em que fosse inteiramente desconhecido. Tinha de fugir de si mesmo.
...
Dorian Gray acelerou o passo ao longo do cais, sob a chuva miúda que caía. O encontro com Adrian Singleton tinha-o  comovido estranhamente, e espantava-se de que a ruína daquela vida juvenil  fosse realmente culpa sua, como lhe havia dito Basílio Hallward, de maneira tão infame e ofensiva. Mordeu os lábios e, durante um momento, seus olhos se umedeceram. Mas, no final de contas, que lhe importava tudo aquilo? A vida era muito breve para que se pudesse suportar sobre os ombros o peso dos erros do próximo. Cada homem vivia sua própria vida e pagava seu próprio preço para vivê-la. O que era para lamentar é que uma pessoa tivesse de pagar tanto por um só erro. E era preciso pagar cada vez mais, com efeito. Em suas relações com os homens, o Destino nunca cessa de cobrar suas dívidas.”



Transcrito de: O Retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde, tradução de Oscar Mendes. São Paulo: Abril Cultural, 1981. Pags: 221 a 225


O livro “O Retrato de Dorian Gray”,  do escritor irlandês Oscar Wilde, considerado seu único romance, foi publicado em 1891. Wilde notabilizou-se como dramaturgo, poeta e contista.
O protagonista Dorian Gray posa para uma pintura do artista Basílio Hallward que retrata toda a beleza e jovialidade do rapaz. O pintor apresenta Lorde Henry Wotton, que faz Dorian tomar consciência de sua beleza e do valor de sua juventude e o inicia num mundo de vícios e desregramento. Apaixonado pela própria imagem e influenciado pelas palavras de Lorde Henry, Dorian expressa o desejo de permanecer eternamente belo como no retrato:

"Como é triste! - murmurou Dorian,  com os olhos fixos  ainda  no seu  retrato - Como é triste! Tornar-me-ei velho, horrível, espantoso. Mas este retrato permanecerá sempre jovem. Não será nunca mais velho do que neste dia de junho… Se ocorresse o contrário! Se eu ficasse sempre  jovem, e esse retrato envelhecesse! Por isso - por isso - eu daria tudo! Sim, não há nada no mundo que eu não desse. Daria até a minha própria alma!"  (pag. 36).

Com isso, Dorian faz o voto de Fausto, entrega a alma ao diabo ou a Lorde Henry Wotton. Ao fazer esse voto, a beleza de Dorian irá tornar-se sua própria miséria. Nesse romance, Wilde faz uma contundente crítica à sociedade aristocrática inglesa pela sua falsa moralidade, superficialidade e valorização excessiva da aparência. Wilde traz uma discussão incessante sobre o bem e o mal, o moral e o imoral e a busca do prazer a qualquer preço, além de abordar a questão da homossexualidade num triângulo formado por Dorian, Basílio e Lorde Henry. Isto levou a que o livro fosse censurado e provocasse violentos debates e intensa polêmica.
No trecho em destaque, Dorian já em sua fase mais violenta e desprezível, busca o prazer a todo custo, não importando que para isso tenha que sair de sua mansão na Londres aristocrática para buscar, na distante e decrépita zona portuária, o prazer por meio do consumo de ópio. Mas a fuga já não era mais possível, a culpa o perseguia, prisioneiro de sua consciência e miséria.
por F@bio

sábado, 2 de abril de 2016

Navios Iluminados - Ranulpho Prata


“Uma manhã luminosa. Azul por toda parte: nas águas, no céu, nos morros. Vinha do mar um vento fresco, que dava gosto a gente sentir no rosto e nas mãos. As bandeiras dos vapores atracados pareciam contentes, agitando-se, muito vivas, nos ares claros.
A turma 65 foi descarregar açúcar pernambucano, de um  Lloyd branco e preto. O ‘periquito’, pequeno guindaste hidráulico começou a trabalhar, empilhando a sacaria no cais. Os homens aproximaram-se, lerdos, como bois para a carga. O saco pegado por dois trabalhadores era colocado na cabeça de um terceiro, que ‘palmilhava’ nos ares, aparando-o com a mão direita espalmada, o braço firme e em arco, de modo que o peso se fizesse sentir gradualmente, e poupo a pouco, e não de sopetão, num desabamento repentino. Bem ajeitado na cabeça, era levado para dentro do armazém, onde cresciam rumas colossais, sendo possível, às vezes, ‘remontar’, subir escadas para ir atirá-los lá em cima.
Fez-se fila de homens carregados.
Severino aproximou-se para receber a sua carga, a primeira, tão ansiosamente desejada e esperada por tanto tempo. Tinha confiança nos seus músculos. Perto da pilha ouviu um dos companheiros dizer para o outro:
- Olha o novato...
De repente, sem que esperasse, quando viu foi o saco despencar sobre a sua cabeça, dando-lhe uma forte dor na nuca, escorregar-lhe pelas costas e cair no chão estourado. Não soubera palmilhá-lo, não tinha prática. Os dois homens riram um riso ruim.
...
Finda a quizilha, Severino perfilou-se, de novo, junto à pilha, para receber outro saco. Tinha o rosto trancado e enviesado para os companheiros, como a preveni-los, um olhar de rancor. E o saco veio desta vez devagar, pousando lento, na sua cabeça, quase docemente. O pescoço como que se achatou, comprimido, as veias saltaram, encordoando-o; entesaram-se lhe os músculos do tórax, criando relevo debaixo da camiseta rala de algodão. E lá saiu de corpo duro, o peso fazendo com que ele bamboleasse os quadris, como mulher. Penetrou no armazém, cuja porta estava esteirada de pó de serragem para evitar escorregos.
...
Quando às quatro e meia as sirenes puseram ponto final no trabalho, o porão do Lloyd estava limpo, a descarga finda...”
 



Transcrito de “Navios Iluminados”, de Ranulpho Prata, pags. 73 a 78. São Paulo: Scritta, 1996.


Ranulpho Prata, 1896 – 1942, sergipano de Lagarto. Autor também dos romances O triunfo, Dentro da Vida, O Lírio na Torrente, do livro de contos A Longa Estrada e do documentário Lampião. Conforme Alessandro Atanes, em Esquinas do Mundo – Ensaio sobre a História e Literatura a partir do Porto de Santos (São Paulo: Dobra Editorial, 2013), Prata formou-se na Faculdade de Medicina da Universidade do Brasil, no Rio de Janeiro em 1919, após ter iniciado os estudos em Salvador. Exerceu a medicina no interior de Minas Gerais e de São Paulo, Aracajú, Rio de Janeiro e em Mirassol (SP). Em 1927 assume uma vaga de médico radiologista na Santa Casa de Santos e posteriormente atende no Hospital Beneficiência Portuguesa e em seu consultório. Com o tempo, clinica em outras instituições, como o Ambulatório Gafrée e Guinle - família proprietária da Companhia Docas de Santos. Prata fixou-se na cidade portuária até sua morte em 1942.

Navios Iluminados é um romance de forte cunho social, no qual Prata revela sua sensibilidade pelo drama vivido pelos emigrantes nordestinos e pelos trabalhadores portuários. Com seu rigor detalhista e descritivo,  o romance nos apresenta um painel da sociedade santista, expondo a dura realidade vivida pelos trabalhadores das docas. No início do Século XX, o Brasil tinha uma economia baseada na monocultura de exportação, o campo e o porto eram os polos dinâmicos. Nos dois ambientes, os trabalhadores enfrentam condições precárias de trabalho, com baixíssima remuneração, péssimas moradias e saúde precária. Mas o autor vai além da denúncia, com abordagem psico social, crítica de costumes e tradições em uma época em que o Brasil dava os primeiros passos rumo à industrialização e urbanização.

Por F@bio

quarta-feira, 2 de março de 2016

Boa Viagem, Senhor Presidente – Gabriel Garcia Márquez


“...Havia vivido na Martinica todos os dias do exílio, sem outro contato com o exterior que as poucas notícias do jornal oficial, sustentando-se com as aulas de espanhol e latim num liceu oficial e com as traduções que às vezes Aimé Césaire encomendava. O calor era insuportável  em agosto, e ele ficava na rede até o meio-dia, lendo ao arrulho do ventilador no teto do dormitório. Sua mulher cuidava dos pássaros que criava soltos, mesmo nas horas de mais calor, protegendo-se do sol com um chapéu de palha de abas grandes, adornado de morangos artificiais e flores de organdi. Mas quando o calor diminuía era bom tomar a fresca na varanda, ele com a vista fixa no mar até que chegavam as trevas, e ela em sua cadeira de balanço de vime, com o chapéu de aba quebrada e as bijuterias em todos os dedos, vendo passar os navios do mundo. “Esse vai para Puerto Santo”, dizia ela. “Esse quase nem pode andar com a carga de banana-ouro de Puerto Santo”, dizia. Pois achava impossível que passasse um barco que não fosse de sua terra. Ele bancava o surdo, embora no fim ela tenha conseguido esquecer melhor que ele, porque ficou sem memória. Permaneciam assim até que terminavam os crepúsculos fragorosos, e tinham que se refugiar na casa derrotados pelos mosquitos. Num daqueles tantos agostos, enquanto lia o jornal na varanda, o presidente deu um salto de assombro.
- Porra! – disse. – Morri no Estoril!
Sua esposa, levitando no torpor, espantou-se com a notícia. Eram seis linhas na quinta página do jornal que era impresso na virada da esquina, onde publicavam suas traduções ocasionais, e cujo diretor passava para visitá-lo de vez em quando. E agora dizia que tinha morrido no Estoril de Lisboa, balneário e abrigo da decadência europeia, onde nunca havia estado, e talvez o único lugar no mundo onde não teria querido morrer...”

Transcrito do conto “Boa viagem, senhor presidente” em “Doze Contos Peregrinos”, de Gabriel Garcia Márquez (págs. 40 e 41). Tradução de Eric Nepomuceno. Rio do Janeiro: Record, 1992.

Deparei-me com o livro Doze Contos Peregrinos, que ainda não havia lido, na biblioteca do Espaço Tribuna Livre Cultural, em Lumiar - Nova Friburgo (RJ). Lá estava com a minha mulher para passar o reveillon. Frequentamos essa região serrana desde 1981 quando lá acampamos a beira rio, em meio a bananeiras e sapos. Era carnaval e Lumiar só tinha luz no período vespertino, fornecida por um gerador a óleo. Cortada por rios encachoeirados, o lugar é muito bonito e tem um tema musical único, composto por Beto Guedes. O Espaço é um presente do casal Vânia e Luís para Lumiar e região. Dedicado às artes, conta com anfiteatro, biblioteca e café. No local ocorrem as sessões do cineclube Lumiar, acontecem shows, palestras e são encenadas peças teatrais. Fomos para lá com intuito de tomar um café, mas ao passar pela biblioteca, os livros exercem um poder de atração impossível de resistir. Lá estava a primorosa edição de Doze Contos Peregrinos. Pude folhear e pegar emprestado sem qualquer problema, mesmo avisando que não teria como devolver com brevidade. Vânia, de forma tranquila, incentivou-me a levá-lo dizendo que não havia problema, que devolvesse quando voltasse à Lumiar ou  enviasse pelos Correios ou emprestasse para outra pessoa. “O que importa é que o livro seja lido”. E pra que outro fim o autor escreve e o editor edita. Livros são para serem lidos e se a prosa nos encanta, aumenta o prazer de devorar cada palavra. Garcia Márquez, no prólogo, afirma que “o esforço de escrever um conto curto é tão intenso como o de começar um romance. Pois no primeiro parágrafo de um romance é preciso definir tudo: estrutura, tom, estilo, ritmo, longitude e, às vezes, até o caráter de algum personagem. O resto é o prazer de escrever...”. Para o leitor, é prazer de ler.
No conto “Boa viagem, senhor presidente”, Gabo nos traz o caso de um deposto presidente de uma república caribenha, Martinica, que vai se tratar da saúde em Genebra, onde encontra um casal de concidadãos que traçam um plano para se beneficiar da pretensa influência e prestígio do presidente moribundo. Por fim, acabam mesmo se envolvendo afetivamente e ajudando-o a retornar ao seu país, ato que o reanimou, fazendo ressurgir nele o desejo de retornar à vida política.

No livro, Gabo homenageia vários artistas, como Vinicius de Moraes em "Só vim telefonar". No conto em comento, o presidente tem como amigo e provedor Aimé Fernand David Césaire (1913 — 2008). Nascido na Martinica, foi um dos mais importantes poetas surrealistas do mundo e considerado, juntamente com o Presidente senegalês Léopold Sédar Senghor, o ideólogo do conceito de negritude. Além de poeta, Aimé Césaire foi  dramaturgo e ensaísta, com obra marcada pela defesa das raízes africanas.
Por F@bio


sábado, 27 de fevereiro de 2016

Porto - Roldão Rosa

Porto

Roldão Mendes Rosa


"Por que
este amor ao cais
se o que quero
não viaja?

Por que esta espera
no cais?

Por que
este amor aos navios
que apitam e partem
se não quero
partir em nenhum?

Eu descendente de adeuses
vejo lenços que acenam
na paisagem sem lenços.

Ou este porto
pouso de âncoras
timidamente se disfarça
no homem que sou?"


Obtido de: http://www.novomilenio.inf.br/santos/h0335b08.htm


Roldão Mendes Rosa foi escritor, poeta, crítico literário e professor na Faculdade de Comunicação de Santos (Facos) da Unisantos. Nascido em Santos em 25 de fevereiro de 1924, faleceu em 26 de janeiro de 1988. Como informa Alessandro Alberto Atanes Pereira, no site Novo Milênio, uma compilação póstuma da poesia de Roldão foi publicada em 1992 pela editora  Hucitec com o título "Poemas do Não e da Noite", que inclui o poema Porto acima.

Neste blog tenho conseguido postar alguns dos autores que abordaram em sua prosa e poesia a temática da relação entre o morador de cidade de Santos e seu porto como é o caso de Roldão.
Por F@bio

domingo, 18 de outubro de 2015

Os Sertões - Euclides da Cunha

"Tomou para Canudos onde era ansiosamente esperada...A marcha foi difícil e morosa. Desde Queimadas lutava-se com dificuldades sérias de transporte. Os cargueiros, animais imprestáveis, velhos e cansados, muares refugados das carroças da Bahia e tropeiros improvisados - rengueavam, tropeçando pelos caminhos, imobilizando os batalhões, e remorando a avançada.
Chegou desse modo a Aracati, onde lhe foi entregue um comboio que devia guarnecer até Canudos".

Obtido de Os Sertões - A Campanha de Canudos, de Euclides da Cunha, edição original de 1902 Edição digital, Coleção Clássicos da Língua Portuguesa, Montecristo Editora, Volume 1


Euclides Rodrigues da Cunha (1866 - 1909), fluminense de Cantagalo - RJ,  positivista e republicano, foi escritor, engenheiro, poeta, sociólogo, geólogo, militar, jornalista e historiador, dentre outras atividades. Tornou-se internacionalmente conhecido após a publicação do livro Os Sertões, que trata da Guerra de Canudos, onde esteve como repórter do jornal O Estado de São Paulo. O livro foi dividido em três partes, assim denominadas: A terra, O homem e A luta. Na obra, Euclides faz uma ampla analise das características geológicas, botânicas, hidrológicas, zoológicas e sociológicas do sertão nordestino - a caatinga - abordando a vida, costumes e religiosidade do sertanejo, que levaram à constituição do arraial de Canudos e à liderança de Antônio Conselheiro. A contenda é retratada a partir do olhar de um correspondente de guerra que descreve com minucias e emoção os embates de soldados despreparados e "jagunços" maltrapilhos.
Os cargueiros mencionados por Euclides da Cunha eram formados por tropas de muares (mulas e burros) que, na época, eram importantes meios de transporte de cargas diversas, permitindo que as mercadorias fossem levadas dos portos e regiões produtoras até os mais distantes rincões do Brasil. O ouro, extraído em Minas Gerais, e depois o café produzido no Vale do Paraíba do Rio de Janeiro e São Paulo, eram transportados em tropas de mulas até os portos de Paraty e Rio de Janeiro.

Segundo informa o site "Caminho Paulista das Tropas", uma Tropa Cargueira de muares era constituída por lotes formados por 8 a 12 animais, cada animal carregando cerca de 150 quilos de mercadoria. Burro no masculino, mula no feminino, este era o animal mais resistente para as tropas cargueiras.  Mais forte e resistente do que os equídeos, tanto para carregar cargas pesadas, como para vencer grandes distância e trabalhar com a mesma eficiência nos terrenos íngremes e montanhosos. Acomodada em dois cestos ou balaios, um de cada lado, um burro chega a transportar de 120 a 150 quilos. Estas qualidades explicam porque o burro é preferido para o transporte de carga.  
As tropas percorriam, em média, 20 a 22 quilômetros por dia, com uma parada no meio do percurso.
Nos trajetos mais longos, as tropas eram compostas por 4 ou 8 lotes de cargueiros, cada lote com 10 muares. Assim, uma grande tropa cargueira poderia ter até 80 animais, transportando um total de 12 toneladas de mercadorias.  Já a comitiva era formada por um madrinheiro, que fazia também as funções de cozinheiro. um peão para cada lote, um arrieiro (um tipo de faz-tudo, que cuidava da saúde dos animais e da manutenção das tralhas), o capataz e o tropeiro patrão.   Quando a tropa tinha cozinheiro e madrinheiro, este último era sempre um menino de mais 12 anos.   O madrinheiro ia à frente tocando a égua madrinha com o seu cincerro e em seguida, também equipada de cincerros, vinha a besta dianteira.   Depois em fila indiana, as mulas cargueiras e fechando o lote, a mula culatreira, que além da carga, levava também as tralhas da cozinha.

Nos primeiros anos. os pousos eram ao relento, debaixo de uma árvore, com os tropeiros protegidos por ponches, cobertores ou pelo ligal, que podia ser usado como cama ou coberta.   Ligal era uma manta grande de couro cru, utilizada para cobrir a carga das mulas, protegendo-a do sol, da chuva e da poeira. Mais tarde, com o aumento e regularidade das tropas cargueiras nos percursos, surgiram os pousos para tropeiros, constituídos de ranchos abertos e cobertos de sapé, que ofereciam alguma proteção aos peões e a carga. Ao redor desses pousos surgiram centenas de cidades brasileiras, como a minha cidade natal no Estado do Rio de Janeiro: Varre-Sai, que segundo consta ganhou esse nome pelo fato de ter sido colocado um aviso no pouso solicitando aos tropeiros varrer o local antes de sair.
Leia mais: http://www.caminhopaulistadastropas.com.br/news/entendimento-sobre-o-tropeirismo/
Por F@abio

domingo, 6 de setembro de 2015

Contrabando - Oswald de Andrade

Contrabando - Oswald de Andrade

Os alfandegueiros de Santos
Examinaram minhas malas
Minhas roupas
Mas se esqueceram de ver
Que eu trazia no coração
Uma saudade feliz
De Paris.


Obtido em https://portogente.com.br/colunistas/alessandro-atanes/o-contrabando-de-oswald-de-andrade-27011


Oswald de Andrade foi um dos principais integrantes do movimento modernista brasileiro, cujo notoriedade atingiu seu ápice com a Semana de Arte Moderna de 1992, realizada em São Paulo. O seu livro "Pau Brasil", de 1925, foi publicado em Paris, pela editora Sans Pareil. Com uma série de poemas que buscam revelar "uma brasilidade poética moderna". O poema final é Contrabando que expõe uma "falsa contradição" que procura resolver de uma forma sucinta "toda a questão em relação às influências europeias de vanguarda e o desejo de renovação das letras nacionais do grupo modernista. A saudade feliz aponta para isso: a admissão da referência europeia, principalmente francesa, mas temperada pela felicidade de voltar a terra natal e cantá-la em uma nova forma, que se adequasse à vida moderna".

O contrabando oswaldiano é portanto o livro editado em Paris contando em versos a viagem de regresso à pátria amada.
Por F@bio

domingo, 23 de agosto de 2015

Meus silêncios na beira do cais - Antonio Carlos Neves

"Batia uma brisa fresca de verão e a baia de Vitória parecia um largo espelho refletindo a atividade noturna do porto. Havia um navio japonês ancorado bem diante do bar e ficamos observando o movimento dos guindastes, o vai-e-vem dos tripulantes subindo e descendo as escadas, ouvindo o rumor das máquinas funcionando e, pelo menos para mim, deixando uma amarga sensação de saudade por lugares distantes e ainda não visitados.
- Sempre sonhei viajar de navio - disse Zélia, surpreendendo-me com o mesmo tom nostálgico que aqueles ruídos do porto me causavam.
Pareceu-me, naquele instante, que estávamos todos um pouco tristes, como se a visão do cais, dos navios e dos marinheiros provocasse nosso lado solitário da alma".

Transcrito da coletânea "Escritos de Vitória - 5 - Porto", págs. 33 e 34. Vitória: PMV, 1994

O autor, Antônio Carlos Neves, nascido em Vitória - ES, formado em direção de cinema e televisão, é jornalista e escritor, tendo escrito também Outra Vez a Esperança, Terror nas Sombras e Um Lugar sem Importância.

Vitória, como toda cidade portuária, tem seus personagens ligados ao porto e muitas histórias sobre a vida ao redor do seu porto. Felizmente a Prefeitura da cidade resolveu publicar em livro crônicas, poesias e ilustrações de diversos escritores e artista, montando um interessante painel sobre a vida que fervilha em torno do cais.
Esta é a segunda postagem que faço com textos do livro. Outras virão, pois são escritos que têm tudo a ver com o Cargueiro de Letras.
O conto de Antônio Carlos Neves é sobre um grupo de amigos que saem juntos para uma noitada e acabam indo parar no boteco Barcaça, na zona portuária, onde vivem momentos intensos e tensos, com desavenças políticas e amorosas. A noite chega ao seu fim com um dos amigos citando a frase precisa de Drummond: "há uma hora em que até os bares se fecham..."
Por F@bio