quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Bairro do Recife: Adolescência - Gastão de Holanda

BAIRRO DO RECIFE: ADOLESCÊNCIA

De Gastão de Holanda

"Zona portuária, espectro de blenorragia
                              e cargueiros.
A puta se mira no espelho
mão no queixo, como se perguntasse:
          — Que meios, para atravessá-lo?
Eu responderia:
          — Mil vezes, o outro lado.
Ela sorri pelo canto amargo da boca
e desaparece atrás do biombo chinês.
Ouço o chocalhar das abluções
          como as mareias no casco do cargueiro.
Considero o toucador colorido,
espectro de enormes vidros de loção.
Estou nu como uma garrafa,
nudez de vidro,
                        o quarto é o Éden."


Obtido de: http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/pernambuco/gastao_de_holanda.html



Gastão de Holanda foi advogado, jornalista, professor, poeta, contista, editor, designer gráfico brasileiro. Nascido no Recife em 11 de fevereiro de 1919. Quando estudante universitário pela Faculdade de Direito de Recife, pela qual se formou em 1951, participou do Teatro do Estudante de Pernambuco. Foi professor de História do Teatro Brasileiro e Artes gráficas na Escola de Belas Artes do Recife e História da Arte no Curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Pernambuco.

Em 1954 fundou no Recife a editora O Gráfico Amador, juntamente com Aloísio Magalhães, José Laurenio de Melo, Orlando da Costa Ferreira e Ariano Suassuna, em cujas oficinas foram impressos e editados livros de Carlos Pena Filho, Mauro Mota, Carlos Drummond de Andrade, João Cabral de Melo Neto, Hermilo Borba Filho, Francisco Brennand entre outros. Ressalte-se que na época o design era insipiente no Brasil, sendo ainda maior o pioneirismo de Gastão de Holanda e Aloísio Magalhães, este que veio a se tornar um dos maiores nomes do design brasileiro, criador de logomarcas de destaque com as do Banco do Brasil, Banco Central, Souza Cruz, Light, Petrobras.


Em  1972 mudou-se para  o Rio de Janeiro, cidade na qual também exerceu a função de editor e onde veio a falecer em 11 de junho de 1997.


Região portuária e degradação parecem sempre estar associadas, em que pese revitalizações ocorridas nas principais cidades costeiras do mundo. Mas o cenário decadente serve bem aos poetas e escritores em geral. Ambientes sujos, escuros, abandonados, sucateados, blenorrágicos, bem distante do Éden paradisíaco das religiões. Nele o Éden está do outro lado, o do prazer mundano da carne, do ópio, do álcool, do fumo, onde um sorriso amargo pode surpreender e eventualmente deixar marcas de batom no espelho carcomido.
Por F@bio