quarta-feira, 9 de março de 2011

A Hora da Estrela - Clarice Lispector

De Clarice Lispector

"O quarto ficava num velho sobrado colonial da áspera rua do Acre entre prostitutas que serviam a marinheiros, depósitos de carvão e de cimento em pó, não longe do cais do porto. O cais imundo dava-lhe saudade do futuro. (O que é que há? Pois estou como que ouvindo acordes de piano alegre - será isto o símbolo de que a vida da moça iria ter um futuro esplendoroso? Estou contente com essa possibilidade e farei tudo para que esta se torne real.)
Rua do Acre. Mas que lugar. Os gordos ratos da rua do Acre. Lá é que não piso pois tenho terror sem nenhuma vergonha do pardo pedaço de vida imunda.
Uma vez por outra tinha a sorte de ouvir de madrugada um galo cantar a vida e ela se lembrava nostálgica do sertão. Onde caberia um galo a cocoricar naquelas paragens ressequidas de artigos por atacado de exportação e importação? (Se o leitor possui alguma riqueza e vida bem acomodada, sairá de si para ver como é às vezes o outro. Se é pobre, não estará me lendo porque ler-me é supérfluo para quem tem uma leve fome permanente. Faço aqui o papel de vossa válvula de escape e da vida massacrante da média burguesia. Bem sei que é assustardor sair de si mesmo, mas tudo o que é novo assusta. Embora a moça anônima da história seja tão antiga que podia ser uma figura bíblica. Ela era subterrânea e nunca tinha tido floração. Minto: ela era capim).
Dos verões sufocantes da abafada rua do Acre ela sentia o suor, um suor que cheirava mal. Esse suor me parece de má origem. Não sei se estava tuberculosa, acho que não. No escuro da noite um homem assobiando e passos pesados, o uivo do vira-lata abandonado. Enquanto isso - as constelações silenciosas e o espaço que é tempo que nada tem a ver com ela e conosco. Pois assim se passavam os dias. O cantar de galo na aurora sanguinolenta dava um sentido fresco à sua vida murcha. Havia de madrugada uma passarinhada buliçosa na rua do Acre: é que a vida brotava no chão, alegre por entre pedras.
Rua do Acre para morar, rua do Lavradio  para trabalhar, cais do porto para ir espiar no domingo, um ou outro prolongado apito de navio cargueiro que não se sabe por que dava aperto no coração, um ou outro delicioso embora um pouco doloroso cantar de galo. Era do nunca que vinha o galo. Vinha do infinito até a sua cama, dando-lhe gratidão..."

Transcrito de "A Hora da Estrela", de Clarice Lispector, Novela. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

Faço aqui minha homenagem ao dia da mulher. Clarice é uma das maiores escritoras da lingua portuguesa. Essa Ucraniana de nascença, brasileira por adoção, cujo texto conheci no saudoso Jornal do Brasil que lia nos tempos de adolescência e juventude. A Hora da Estrela é, segundo José Castello, "o livro mais surpreendente que escreveu" e põe surpreendente nisso. Nele Clarice cria um falso autor, seu alter ego, e escreve um texto rico de emoções, entre o delírio e a realidade, numa abordagem impregnada de uma visão social e existencialista. Como conclui Castello, o livro "é um romance sobre o desamparo a que, apesar do consolo da linguagem, todos estamos entregues".
A hora da estrela é uma obra-prima da literatura brasileira, trazendo, via recurso metalingüístico, reflexões do autor sobre o ato de escrever, no caso o falso autor Rodrigo S.M., por meio das quais dialoga com o leitor, e reflexões sobre sua própria vida e da anti-heroína Macabéa.
Na telona, Marcélia Cartaxo deu corpo a uma Macabéa extremamente fiel ao texto de Clarice, dirigida por Suzana Amaral (1985), pelo qual ganhou o Urso de Prata de melhor atriz no Festival de Berlin de 1986.
Por
F@bio