quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Cais - J.G. de Araújo Jorge

De: J.G. de Araújo Jorge

                            Cid Silveira - 1910


"Na faina do porto gemia o guindaste,
jogando no pátio de pedras, de chofre,


a mercadoria pendendo-lhe da haste,
dezenas de sacos de pedra de enxofre.


Os trabalhadores das docas, externos,
não usam camisa, mas faixa na ilharga.
Trabalham nas furnas do pior dos infernos,
porões tenebrosos dos buques de carga.


O ar empestado, sufoca; dá nojo
o pó amarelo, pesado, que dança
por cima dos homens que arrancam do bojo
do barco esse enxofre que ao porto se lança.


E o porto, ressoante de silvos, é teatro
de cenas medonhas, protestos, clamores!
Mas como o cargueiro sairá logo às quatro,
prossegue o trabalho dos estivadores.


Gaivotas inquietas esvoaçam à tona
das águas oleosas do estuário parado.
E finda o serviço só quando, com a lona,
se cobre o profundo porão esvaziado.


Mas logo no dia seguinte, de novo
começa o trabalho, com pragas e cantos.
É heróica a existência dos homens do povo,
os trabalhadores das docas de Santos."

(Antologia da Nova Poesia Brasileira
J.G . de Araujo Jorge - 1a ed. 1948 )

Obtido de http://www.jgaraujo.com.br/antologia/ci_cais.htm


Para falar de JG de Araújo Jorge, além do que já escrevi na primeira postagem de 12 de fevereiro de 2010, recorro agora a uma crítica literária de Carlos de POVINA CAVALCANTI que diz: "José Guilherme de Araújo Jorge. 19 anos de idade. Tez pálida. Fronte larga. Olhar inquieto. Movimentos nervosos. Ar de abstração e de sonho.Com essa ficha, o adolescente autor deste livro ("Meu céu interiror" - 1a. edição- Setembro de 1934) seria identificado em qualquer porto literário, aonde os bons ventos da imaginação o levassem, velejando com a alma da poesia".
Cais é um poema que retrata a realidade dura do trabalho da estiva no porto de Santos, no terminal de enxofre, pó amarelo que tinge e corroi os homens, minério que simboliza o inferno, qual o cenário do porto apresentado por Jorge.
Por F@bio