quarta-feira, 3 de novembro de 2010

As Mariposas Também Amam - Luiz Berto

De: Luiz Berto
...

"Certa noite na Boate Tabaris apareceu Pedrão, um marinheiro, ficou encantado com Djanira, morena dos olhos verdes da região de Porto Calvo, produto da miscigenação da colonização holandesa. O marinheiro gaúcho se apaixonou pela meiguice, o carinho, a ternura e a beleza da alagoana. Prometeu tudo para ficar só com ele.
Entretanto, Djanira era a mais disputada entre os clientes da pensão. Pedro se mordia de ciúme quando sua amada entrava no quarto com outro homem. O navio estava esperando atracação para carregar açúcar. Pedro, o marinheiro, ficou 15 dias em Maceió, curtindo sua paixão. Djanira se sentiu amada realmente pela primeira vez na vida, também se apaixonou.
Na despedida Pedrão prometeu voltar, Djanira acompanhou o navio cargueiro se afastar do cais levando seu amor, sua vida. As amigas bem diziam que rapariga não pode, não deve se enrabichar. Toda manhã ela descia à praia, contemplando o mar que levou Pedro, na esperança que um dia ele devolvesse seu grande amor.
O tempo passou, a paixão de Djanira nunca ..."

Cronica publicada por Luiz Berto em EPÍSTOLAS DO CARDEAL - Carlito Lima
Obtido de http://www.luizberto.com 


Marinheiros também amam poderia ter sido o título da cronica de Luiz Berto, pois eles costumam deixar amores em cada parada, em cada porto. Como aguentar os dias no mar se não for por amar alguém que ficou no cais, acenando para o amado que parte. Coração partido de quem fica. Espera longa, por um retorno incerto: será que volta? Sempre volta, pois a onda que leva o barco é a mesma que o traz de volta.
Por F@bio