quarta-feira, 24 de maio de 2017

Santos Revisitado - Pablo Neruda

Santos Revisitado (1927 - 1967) - 1ª parte

Santos! É no Brasil, e faz já quatro vezes dez anos.
Alguém ao meu lado conversa "Pelé é um super-homem",
"Não sou fanático, mas na televisão eu gosto".
Antes era selvático este porto e cheirava
como uma axila do Brasil calorento.
"Caio de Santa Marta". É um navio, e é outro, mil navios!
Agora os frigoríficos estabeleceram catedrais
de belo cinza, e parecem
dados atirados por deuses os brancos edifícios.
O café e o suor cresceram até criar as proas,
o pavimento, as habitações retilíneas:
quantos grãos de café, quantas gotas salobres
de suor? Talvez o mar
se encheria, mas a terra não, nunca a terra, nunca satisfeita,
faminta sempre de café, sedenta
de suor  negro! Terra maldita, espero
que arrebentes um dia, de alimentos, de sacos mastigados,
e de eterno suor dos homens que já morreram
e foram substituídos para continuar suando.


Transcrito do livro Esquinas do Mundo - Ensaios sobre História e Literatura a partir do porto de Santos, de Alessandro Atanes, São Paulo: Dobra Editorial, 2013, pág. 16. Nota informa que a tradução é do próprio Alessandro Atanes, a partir de Neruda, Pablo, La Barcarola. Edição e notas de Hernán Loyola. Prólogo de María Gabriela Mizraje. Buenos Aires - Argentina: Debolsillo, 2004.

Pablo Neruda, o grande poeta e diplomata chileno (veja outros textos neste blog), esteve no Brasil algumas vezes participando de encontros políticos e conferências, passando por Santos, porto que homenageia em sua poesia. Tendo a perspectiva de quem chega no estuário, narra a geografia, a atividade e a história do porto, até aquela época (anos 60) ainda muito vinculado ao café, principal produto de exportação do País de então.

Com o olhar para a questão social, Neruda acentua o suor do trabalhador portuário, carregando sacos nas costas no embarque e desembarque dos navios cargueiros. Assinalando a história do porto entre 1927 e 1967 (daí "quatro vezes dez anos"), destaca as transformações ocorridas no porto antes selvático, com milhares de trabalhadores qual formigas carregando seus fardos, exalando seus odores, tornando o cais a axila do Brasil tropical, suarento, calorento, caloroso: "quantos grãos de café, quantas gotas salobres de suor?" indaga o poeta.

Agora industrial, com seus edifícios catedrais, mantem um ritmo frenético (mil navios) para dar conta da fome de consumo do mundo capitalista nunca satisfeito, que para se alimentar explora o trabalhador que verte seu suor e  não pode parar. Os que morrem logo são substituídos por outros vindo do exército de reserva para continuar suando, peças de reposição da linha de produção da carga e descarga do cais. Terra maldita, um dia arrebenta!
Por F@bio