segunda-feira, 1 de maio de 2017

Mucuripe - Belchior

"As velas do Mucuripe
Vão sair para pescar
Vou mandar as minhas mágoas
Pras águas fundas do mar

Hoje à noite namorar
Sem ter medo da saudade
Sem vontade de casar

As velas do Mucuripe
Vão sair para pescar
Vou mandar as minhas mágoas
Pras águas fundas do mar

Hoje à noite namorar
Sem ter medo da saudade
Sem vontade de casar

Calça nova de riscado
Paletó de linho branco
Que até o mês passado
Lá no campo inda era flor

Sob o meu chapéu quebrado
Um sorriso ingênuo e franco
De um rapaz novo encantado
Com vinte anos de amor

Aquela estrela é dela
Vida, vento, vela, leva-me daqui
Aquela estrela é dela
Vida, vento, vela, leva-me daqui

As velas do Mucuripe
Vão sair para pescar
Vou levar as minhas mágoas
Pras águas fundas do mar

Hoje à noite namorar
Sem ter medo da saudade
Sem vontade de casar

Calça nova de riscado
Paletó de linho branco
Que até o mês passado
Lá no campo inda era flor

Sob o meu chapéu quebrado
Um sorriso ingênuo e franco
De um rapaz moço encantado
Com vinte anos de amor

Aquela estrela é dela
Vida, vento, vela, leva-me daqui
Aquela estrela é dela
Vida, vento, vela, leva-me daqui"

A poesia de Mucuripe é de Belchior que havia composto também uma melodia. Porém, quando mostrou a letra para Fagner, companheiro do coletivo Pessoal do Ceará, este fez outra melodia que o próprio Belchior reconheceu como melhor. O compositor nascido em Sobral, Ceará, fez sua passagem em Santa Cruz do Sul (RS), aos 70 anos. Sua poesia é reconhecida como refinada e de crítica arguta à veneração capitalista do consumo e do vil metal, como queriam nossos pais, que marcou profundamente a juventude brasileira dos anos 70/80/90. Um poeta filosofo que com suas letras faz uma crônica da sociedade brasileira daqueles anos na qual a luta pela liberdade, anunciada como "uma calça velha azul e desbotada", era a grande bandeira da sociedade civil. Nos anos 70, em pleno regime militar, Belchior foi capaz de dar sentido ao fim do sonho pacifista de liberdade dos hippies, já anunciado por Lennon ("o sonho acabou"), denunciando o aburguesamento da "juventude que queria tomar o poder": “Já faz tempo / eu vi você na rua / cabelo ao vento / gente jovem reunida / na parede da memória / esta lembrança é o quadro que dói mais / minha dor é perceber / que apesar de termos feito / tudo, tudo o que fizemos / ainda somos os mesmos e vivemos / como os nossos pais / (…) e hoje eu sei / que quem me deu a ideia / de uma nova consciência e juventude / está em casa guardado por Deus / contando seus metais”, letra de Como Nossos Pais, musica lançada em 1976 e consagrada na voz de Elis Regina. "O homem que virou suco": foi exatamente com essa música contundente que Belchior alcançou a fama e o sucesso no mercado fonográfico.

Nas palavras de Alberto Sartorelli (http://www.pragmatismopolitico.com.br/2016/09/belchior-critica-vulgar.html) o "radicalismo político de Belchior tem seu principal fundamento na crítica do dinheiro em si e do trabalho alienado, uma crítica mais profunda do que a mera crítica do capitalismo. O dinheiro é tratado enquanto fetiche e abstração, mas também enquanto necessidade material e fonte da corrupção moral. “Tudo poderia ter mudado, sim / pelo trabalho que fizemos – tu e eu / mas o dinheiro é cruel / e um vento forte levou os amigos / para longe das conversas / dos cafés e dos abrigos / e nossa esperança de jovens / não aconteceu”, letra de Não Leve Flores, de 1976.
Que o eterno rapaz latino americano descanse em paz!
Por F@bio