terça-feira, 8 de novembro de 2016

A Carga - Ledo Ivo

Uma rua me conduzia até o porto.
E eu era a aruá com as suas janelas dilaceradas
E o sol depositado na areia materna.
Eu levava para a beira do mar tudo o que surgia
À minha passagem: portas, rostos, vozes, colônias de cupim e
Réstias de cebola que amadureciam na sombra
Dos armazéns providos. E sacos de açúcar. E as chuvas
Que haviam enegrecido os telhados das casas.
Era um dia de dádivas. Nada estava perdido.
As ondas celebravam a beleza do mundo.
A terra ostentava a promessa de vida.
E eu depositava a minha leve carga
Nos porões dos navios enferrujados.


Obtido de http://www.antoniomiranda.com.br/iberoamerica/brasil/ledo_ivo.html


Lêdo Ivo - jornalista, poeta, romancista, contista, cronista e ensaísta brasileiro. Foi membro da Academia Brasileira de Letras. Alagoano, nascido em Maceió em 1924 faleceu em 2012 em Sevilha, Espanha.

Todos carregamos nossas cargas de vida. Lembranças, dores, amores, sonhos, recordações, espantos, assombrações, medos, o sol e o sal. Levamo-nas em nossa jornada pelos caminhos que temos que trilhar até poder depositá-las nos depósitos de nossas memórias, navios enferrujados, revolvidos em nossas terapias.
Por F@bio