domingo, 2 de fevereiro de 2014

Gabriela, Cravo e Canela - Jorge Amado

"Assim, discutindo sobre os métodos do dr. Enoch e da famosa dona Guilhermina, legendária por sua severidade, foram andando para a ponte. Desembocando das ruas, algumas outras pessoas apareciam na mesma direção, vinham esperar o navio. Apesar da hora matinal reinava já certo movimento no porto. Carregadores conduziam sacos de cacau dos armazéns para o navio da Bahiana. Uma barcaça, as velas despregadas, preparava-se para partir, semelhava enorme pássaro branco. Um toque de búzio elevou-se, vibrou no ar, anunciando a partida próxima.
(...)
A conversa foi interrompida por apitos repetidos, breves e aflitos do navio. Houve um movimento de expectativa na ponte. Até os carregadores pararam para escutar.
- Encalhou!
- Porcaria de barra!
- Continuando assim nem navio da Bahiana vai poder entrar no porto.
- Quanto mais da Costeira e do Lloyd.
- A Costeira já ameaçou suspender a linha.
Barra difícil e perigosa, aquela de Ilhéus, apertada entre o morro do Unhão, na cidade, e o morro de Pernambuco, numa ilha ao lado do Pontal. Canal estreito e pouco profundo, de areia movendo-se continuamente, a cada maré. Era frequente o encalhe de navios, por vezes demoravam um dia a libertar-se. Os grandes paquetes não se atreviam a cruzar a barra assustadora, apesar do magnífico ancoradouro de Ilhéus.
Os apitos continuavam angustiosos, pessoas vindas para esperar o navio começavam a tomar o caminho da rua do Unhão para ver o que passava na barra.
- Vamos até lá?
- Isso é revoltante - dizia Doutor enquanto o grupo caminhava pela rua sem calçamento, contornando o morro. - Ilhéus produz uma grande parte do cacau que se consome no mundo, tem um porto de primeira, e, no entanto, a renda da exportação do cacau fica é na cidade da Bahia. Tudo por causa dessa maldita barra...
Agora que as chuvas tinham cessado, nenhum assunto mais empolgante que aquele para os ilheenses. Sobre a barra e a necessidade de torná-la praticável para os grandes navios, discutia-se todos os dias e em todas as partes. Sugeriam-se medidas, criticava-se o governo, acusava-se a intendência de pouco-caso. Sem que solução fosse dada, ficando as autoridades em promessas e as docas da Bahia recolhendo as taxas de exportação.
(...)
Os apitos do navio cresciam em desespero, eles apressaram o passo, aparecia gente de todos os lados."

Transcrito de "Gabriela, Cravo e Canela : Crônica de uma Cidade do Interior" (páginas 32 e 33), de Jorge Amado. São Paulo : Companhia das Letras, 2008.

Jorge Amado (1912 - 2001), baiano de Itabuna, foi dos mais importantes romancistas brasileiros do século XX. Dos escritores brasileiros é dos mais difundidos e publicados no mundo. Suas obras foram traduzidas para dezenas de idiomas e adaptadas para teatro, cinema e televisão, como é o caso de Gabriela, com duas versões de novela, estrelada por Sônia Braga e Juliana Paes, e cinema, mais uma vez com Sônia Braga e com o ator italiano Marcello Mastroianni no papel de Nacib.


Uma das tramas do livro é a questão do porto de Ilhéus, encravado dentro da barra, frequentemente assoreada, que tornava um suplicio para os navios nele atracarem e praticamente impedia a exportação do cacau diretamente da região produtora, fazendo com que tivesse que ser levado para o porto de Salvador, onde era embarcado nos grandes cargueiros da época, e só daí seguiam para os principais mercados, na Europa e Estados Unidos.
Essa questão só foi resolvida com a construção, nos anos 70, do Porto do Malhado, mas já mencionada no livro, cuja história remonta ao ano de 1925. Contudo, a lavoura e indústria do cacau, que fez a riqueza da região até os 80, entrou em declínio com a contaminação das plantações pela doença conhecida como vassoura de bruxa. Vamos voltar ao assunto numa próxima postagem.
Por F@bio