segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Código da Vida - Saulo Ramos

"...Quando fui convidado por Jânio Quadros, para assessorá-lo na Presidência da República e, sobretudo, na política do café, o Brasil tinha tradição de nomear para o IBC - Instituto Brasileiro do Café - os líderes rurais, fazendeiros e produtores ou presidentes de associações cafeeiras. O café era muito importante para o país naquela época. Ainda é. Mas, em 1961, a exportação desse produto representava três bilhões de dólares num total de quatro a cinco bilhões. Recomendei que fosse nomeado para o cargo um diplomata, bom negociador internacional. A política do café tinha de se voltar para a conquista do mercado externo. Com esse perfil, encontramos o ministro de segunda classe do Itamaraty, Sérgio Armando Frazão.
   Trabalhamos juntos nos sete meses do Governo Jânio. Fizemos tudo o que era possível. Acabamos com o confisco cambial que pesava sobre a exportação do produto, para felicidade geral da cafeicultura. Criamos incentivos para a produção de qualidade, a fim de enfrentar a concorrência do café colombiano e atender à exigência da maioria dos consumidores de café por esse mundo afora. Provocamos a inclusão dos importadores no acordo internacional do café, para que eles ajudassem a vigiar os exportadores que fraudavam suas cotas fixadas pelo acordo internacional".

Transcrito do livro "Código da Vida", de Saulo Ramos, páginas 48 e 49. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2007

Saulo Ramos, advogado e jurista, foi assessor da Presidência da República no Governo de Jânio Quadros e Consultor Geral da República no Governo de José Sarney. O livro Código da Vida é uma autobiografia que tem como pano de fundo um curioso caso de litígio judicial familiar, quase um policial, com lances de drama, suspense, mistério, articulações políticas e fatos históricos.

O autor foi de grande felicidade na forma que encontrou para relatar o caso de contenda judicial em que um pai desesperado procura o seu escritório de advocacia para defendê-lo da acusação efetuada pela ex-mulher de praticar atos obscenos com os próprios filhos menores e, na ação judicial movida contra ele, pede a extinção do seu direito de ver as crianças. Tendo como pano de fundo o desvelamento do caso, Saulo Ramos relata os fatos mais marcantes de sua vida e do país, entre os anos 50 e o início do Século XXI. É uma estimulante leitura sobre o nosso Brasil contemporâneo. Contudo, o leitor deve estar atento para a inevitável parcialidade do autor, que contamina o livro com sua visão política e sua notória falta de modéstia e megalomania, como fica patente no trecho acima transcrito, onde a terceira pessoa utilizada não é suficiente para escamotear a intencionalidade de atribuir a si próprio a autoria dos feitos relatados, ainda que num reconhecido efêmero período de tempo.
Por F@bio