domingo, 1 de dezembro de 2013

1889 - O Império Tropical - Laurentino Gomes

"Capital do Império, com 522.651 habitantes, o Rio de Janeiro aumentara sua população nove vezes desde a chegada de dom João e a família real portuguesa. O porto carioca era o mais movimentado do Brasil. A renda de sua alfândega representava 32% da arrecadação geral do Império. A cidade que mais crescia em 1889, no entanto, era São Paulo, que chegaria a 239.820 habitantes no Censo de 1900. Sua população se multiplicaria por dez em apenas cinquenta anos, impulsionada em grande parte pelos novos imigrantes estrangeiros que chegavam ao Brasil para substituir nas lavouras a recém-abolida mão de obra escrava. Salvador, capital colonial até 1763, tinha 174.412 habitantes e apresentava crescimento estável, enquanto Recife, com 111.556, a população declinava em razão da crise da lavoura açucareira.
(...)
O café produziria uma drástica alteração no eixo econômico do país. Nos duzentos primeiros anos da colonização, a riqueza brasileira se concentrava na região Nordeste, no chamado ciclo do açúcar. Depois migrara para Minas Gerais, na corrida do ouro e do diamante que marcou a primeira metade do século XVIII. Por essa época, Francisco de Melo Palheta, sargento-mor do Pará, contrabandeou de um viveiro de Caiena as primeiras sementes e mudas de café, planta originária das terras altas da Etiópia e até então cultivada em segredo na Guiana Francesa. Depois de aclimatadas em Belém, as mudas logo chegariam ao Vale do Paraíba, entre o Rio de Janeiro e São Paulo. Começava ali a febre do "Ouro Verde". O produto, que na época da Independência representava apenas 18% do total da pauta de exportações brasileiras, em 1889 já alcançava 68%, ou seja, quase dois terços do total. O número de sacas exportadas saltou de 129 mil em 1820 para 5,5 milhões em 1889."



Transcrito do livro "1889" de Laurentino Gomes.
São Paulo, Globo, 2013.









O jornalista Laurentino Gomes, paranaense de Maringá, notabilizou-se com sua excelente trilogia histórica sobre a formação do Brasil contemporâneo, constituída pelos livros intitulados com datas marcantes: 1808, sobre a chegada da corte portuguesa de dom João VI no Brasil fugindo das tropas napoleônicas; 1822, sobre a independência do Brasil; e 1899, sobre a queda da monarquia e proclamação da república. Neste último, aborda os motivos que levaram à queda do regime imperial e as articulações para a proclamação da república. O livro traz por subtítulo: "Como um imperador cansado [e doente], um marechal vaidoso [e também doente] e um professor injustiçado [e ressentido] contribuíram para o fim da Monarquia e a Proclamação da República no Brasil". Gomes nos apresenta dom Pedro II como um monarca culto, conciliador e simpático à causa republicana e o marechal Deodoro da Fonseca como um militar vaidoso, arbitrário e monarquista. Ou seja, pelas características dos dois personagens, pareciam estar em lugares trocados nesse importante momento histórico da formação do Brasil de nossos dias.