domingo, 13 de maio de 2012

Dois Irmãos - Milton Hatoum

"Uma tarde de domingo, minha mãe me convidou para passear na praça da Matriz. Perto dali, atracados no Manaus Harbour, os grande cargueiros achatavam barcos e canoas, ocultando o horizonte da floresta. No centro da praça não havia mais a multidão de pássaros que encantava as crianças. Agora o aviário que tanto me fascinara estava silencioso. Sentados na escadaria da igreja, índios e migrantes do interior do Amazonas esmolavam. Domingas trocou palavras com uma índia e não entendi a conversa; as duas se benzeram quando os sinos deram seis badaladas. Minha mãe se despediu da mulher, entrou sozinha na igreja, rezou. Depois nós entramos no Manaus Harbour, fomos até a extremidade do trapiche. O porto flutuante estava movimentado, com seus estivadores, guindastes e empilhadeiras. Um homem que andava por ali nos reconheceu e acenou. Era o Calisto, um dos vizinhos do cortiço. Descalço, só de calção, ele esperava uma ordem para descarregar caixas de produtos eletrônicos. Eu não sabia que ele trabalhava aos domingos no porto. Calisto se livrara das garras de Estelita Reinoso, mas agora tinha de agüentar outro peso".

Transcrito de "Dois Irmãos", romance de Milton Hatoum (pág. 240). São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

Milton Hatoum é amazonense de Manaus. Professor de literatura na Universidade do Amazonas e na Universidade da Califórnia (Berkeley). Dois Irmãos é seu segundo romance, ganhador do Premio Jabuti, como o primeiro "Relato de um certo Oriente".

Dois irmãos é a história de gêmeos que, qual Caim e Abel, se digladiam, enquanto o narrador busca sua identidade no seio de uma familia de imigrantes árabes - sírios para ser mais preciso. Os amores e conflitos familiares são o veio de um narrador que busca sua identidade.

O romance tem também, como pano de fundo, o cenário de uma cidade formada por imigrantes, no meio da floresta amazônica, em processo de transformação. A arquitetura e modo de vida iniciado no ciclo da borracha dá lugar ao polo que se industrializa.

Hatoum constrói um texto envolvente com uma escrita prazeirosa e de textura delicada, quase poética. Um texto tão intenso quanto as relações afetivas que situa no coração de uma família de imigrantes.
Por F@bio