domingo, 25 de março de 2012

O Captain! My Captain! - Walt Whitman

O Captain! My Captain!

O Captain! my Captain! our
fearful trip is done,
The ship has weather'd every
rack, the prize we sought is won,
The port is near, the bells I hear,
the people all exulting,
While follow eyes the steady keel,
the vessel grim and daring;
But O heart! heart! heart!
O the bleeding drops of red,
Where on the deck my Captain lies,
Fallen cold and dead.


O Captain! my Captain! rise up
and hear the bells;
Rise up--for you the flag is flung--
for you the bugle trills,
For you bouquets and ribbon'd
wreaths--for you the shores a-
crowding,
For you they call, the swaying
mass, their eager faces turning;
Here Captain! dear father!
This arm beneath your head!
It is some dream that on the deck,
You've fallen cold and dead.
My Captain does not answer, his
lips are pale and still,
My father does not feel my arm,
he has no pulse nor will,
The ship is anchor'd safe and
sound, its voyage closed and done,
From fearful trip the victor ship
comes in with object won;
Exult O shores, and ring O bells!
But I with mournful tread,
Walk the deck my Captain lies,
Fallen cold and dead.

Oh Capitão! Meu Capitão

Oh capitão! Meu capitão! Nossa
viagem cheia de medo está acabada;
O navio resistiu a cada tormenta,
o preço que pagamos é a vitória;
O porto está perto, os sinos eu ouço,
as pessoas todas exaltadas,
Enquanto olhos seguem a firme quilha,
o barco sinistro e ousado;
Mas oh coração! coração! coração!
Oh o sangue escorrendo vermelho,
Onde no deck meu capitão jaz,
Abatido frio e morto.

Oh capitão! Meu capitão! Levante
e ouça os sinos;
Levante, para você a bandeira flamula,
para você a corneta soa;
Para você ramalhetes e faixas adornam,
por você as praias estão enchendo;
Por você eles chamam,
a oscilante massa, suas faces ambiciosas mudando;
Aqui capitão! Querido Pai!
Esse braço envolvendo sua cabeça;
Será um sonho?
Você abatido frio e morto.

Meu capitão não responde,
seus lábios estão pálidos e imóveis;
Meu pai não sente meu braço,
ele não tem pulso nem vontade;
O navio está ancorado a salvo e saudável,
a viagem está terminada e feita;
De uma viagem cheia de temores, o navio vitorioso,
adentra com sua missão cumprida;
Exaltem, Oh praia, e toquem, Oh sinos!
Mas eu, com triste passadas,
Ando no deck em que meu capitão jaz,
Abatido frio e morto.

Tradução: Leonardo Meimes


Walt Whitman, nascido em Long Island, Estados Unidos, a 31 de Maio de 1819, foi um poeta, ensaísta, jornalista e humanista estadunidense. Considerado por muitos o maior poeta dos Estados Unidos, é visto como o primeiro poeta urbano. Ninguém como ele até então enalteceu, com versos soberbos, o regime dos Estados Unidos da América, além de ter iniciado a emancipação da literatura do seus país do costume de imitar os europeus.

Obtido de: http://www.miniweb.com.br/Literatura/Artigos/walt_whitman.html

Nestes versos ao feito de capitão libertador, já se vê a semente do tão forte sentimento de americanidade dos nascidos nos EUA. Versos que enaltecem quem deu a própria vida para alcançar a vitória. Lembram o hino nacional brasileiro "ou ficar a pátria livre, ou morrer pelo Brasil!" A nau que alcançou o porto íntegra, já não pode mais contar com seu capitão. Venceu-se a tormenta e a nau é saudada no porto, mas a carga que chega a seu destino é pesada demais, pois nela se encontra o corpo defunto do seu capitão. Essa a beleza lírica de Whitman.
Por
F@bio