domingo, 4 de março de 2012

Cais - Sophia Andresen


"Para um nocturno mar partem navios,
Para um nocturno mar intenso e azul
Como um coração de medusa
Como um interior de anémona.
Naturalmente
Simplesmente
Sem destruição e sem poemas,
Para um nocturno mar roxo de peixes
Sem destruição e sem poemas
Assombrados por miríades de luzes
Para um nocturno mar vão os navios.
Vão
O seu rouco grito é de quem fica
No cais dividido e mutilado
E destruído entre poemas pasma."


Obtido de: http://www.maricell.com.br/sophiandresen/sophia13.htm


Poetisa e contista portuguesa, nasceu no Porto, de família aristocrática, onde viveu até aos dez anos, quando se mudou para Lisboa. De origem dinamarquesa por parte do pai, a sua educação decorreu num ambiente católico e culturalmente privilegiado que influenciou a sua personalidade. Frequentou o curso de Filologia Clássica na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, não tendo todavia chegado a concluí-lo.

Teve uma intervenção política empenhada, opondo-se ao regime salazarista (foi co-fundadora da Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos) e também, após o 25 de Abril, como deputada. Presidiu ao Centro Nacional de Cultura e à Assembleia Geral da Associação Portuguesa de Escritores.

O mar noturno de Sophia Andresen era o regime de Salazar, que entrevou Portugal. Ela foi a luz, com sua poesia delicada e seu ativismo decidido. Portugal, onde os assombrados pelo obscuro regime lançavam-se ao mar também turvo, no cais ficavam os gritos roucos dos que enfrentaram a medusa. Talvez divididos, certamente mutilados. Poemas destruidos.
Por
F@bio