sábado, 18 de fevereiro de 2012

Narciso de Andrade, o poeta do vento e das maresias - Adelto Gonçalves

Adelto Gonçalves
...
Por esse tempo [anos 30], Santos destacava-se pelo movimento de seu porto, especialmente por causa das exportações de café. Os corretores atropelavam-se na Rua XV de Novembro com os canudos em que levavam as latas de amostras para a Bolsa de Café, onde em meio a telas de Benedicto Calixto acompanhavam o pregão e as cotações diárias.

O dinheiro escorria pelas ruas do centro antigo e fortunas eram construídas no dia-a-dia da cidade portuária. Seu comércio era intenso: a loja Ao Camiseiro, ao lado da redação de O Diário e quase em frente ao Café Paulista, vestia com gabardine, tropical inglês e outros tecidos finos os corretores de café, os despachantes aduaneiros e seus ajudantes, os fiscais da Alfândega, toda uma classe que ascendia socialmente com os negócios que se faziam em torno das mercadorias que entravam e saíam do porto.
...


Adelto Gonçalves (Brasil). Ensaísta. Autor de Gonzaga, um Poeta do Iluminismo (1999), Barcelona Brasileira (1999) e Bocage - O Perfil Perdido (2003). Contato: adelto@unisanta.br.

Deparei-me com esse ensaio de Adelto Gonçalves na internet (Revista Agulha) que analisa e traça a trajetória de Narciso de Andrade, jornalista e advogado, mas sobretudo poeta. Ia publicar o poema Cais de Narciso, mas achei o texto de Adelto de uma beleza impar e sonoridade poética que resolvi publicá-lo antes do poema. No trecho transcrito, Adelto tece, ou melhor, pinta um lindo quadro da cidade portuária na década de 30. Santos se destacava por ser o principal porto da América Latina no qual era embarcado o café, principal produto de exportação do Brasil que chegou a representar mais de 60% da nossa receita de exportação.
Por