sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Cais - Narciso de Andrade

De: Narciso de Andrade

"1.

Com tanto navio para partir
minha saudade não sabe onde embarcar…

2.

A água comove a pedra
que parece fremir levemente.
Na oscilação breve das marolas
Há homens malogrando olhares
vagos, indecisos, alongados.

3.

(Completa ausência de tempo.
O calendário se desfaz
nas sombras, na brisa e na anatomia
recortada do estuário…).


Cambía todos os tons
esta angústia à flor da água.


4.

Não há gaivotas nem quaisquer
outros pássaros oceânicos.
Todavia, aquela espuma brilhante
sugere o roçar logo de algum.

5.

Vem do passado a romântica
sugestão de velas pandas.
Itinerários de descobertas,
roteiros de constelações,
ilhas remotas habitadas
por estranhos povos inocentes
--- pele morena, olhos ariscos,
porte severo, movimentos puros
de corpos ao vento e ao sol.


6.

Sirene arrepiando
a epiderme do meio-dia.


7.

Silenciosamente pesados
firmam-se nas horas os navios,
fortuitos donos do porto,
transitórios proprietários
de metros de alvenaria
que fazem maior a tristeza
da imensa nostalgia portuária.


Ah! receber todos os adeuses,
todos os abraços, todos os olhares
de ida e volta e permanecer
ancorado na paisagem imutável."



Narciso de Andrade jornalista, advogado e poeta, nascido em São Paulo, mas santista por adoção e adoração. Trabalhou no Diário e em A Tribuna, como jornalista e colaborador. Foi também da Light e Eletropaulo, nesta como advogado. Participou do grupo de poetas chamado "pesquisistas" que tudo investigava sobre literatura e poesia. Foi auto intitulado poetirmão de Roldão Mendes Rosa.
Em seu magnífico poema Cais sentimos vontade de embarcar na poesia de Narciso, ainda hoje inédita em livro. Seus versos são nostálgicos e de uma beleza lírica impar, especialmente revelada em: "Com tanto navio para partir /minha saudade não sabe onde embarcar…"
Por