quarta-feira, 10 de outubro de 2012

O Navio de Espelhos - Mario Cesariny


O navio de espelhos
não navega cavalga

Seu mar é a floresta
que lhe serve de nível

Ao crepúsculo espelha
sol e lua nos flancos

Por isso o tempo gosta
de deitar-se com ele

Os armadores não amam
a sua rota clara

(Vista do movimento
dir-se-ia que pára)

Quando chega à cidade
nenhum cais o abriga

O seu porão traz nada
nada leva à partida

Vozes e ar pesado
é tudo o que transporta

(E no mastro espelhado
uma espécie de porta)

Seus dez mil capitães
têm o mesmo rosto

A mesma cinta escura
o mesmo grau e posto

Quando um se revolta
há dez mil insurrectos

(Como os olhos da mosca
reflectem os objectos)

E quando um deles ala
o corpo sobre os mastros
e escruta o mar do fundo

Toda a nave cavalga
(como no espaço os astros)

Do princípio do mundo
até ao fim do mundo




Mário Cesariny de Vasconcelos (1923 – 2006), português, pintor e poeta, considerado o principal representante do surrealismo em Portugal, sendo de se destacar também o seu trabalho de antologista, compilador e polêmico historiador das atividades surrealistas em seu país. Afirma-se que foi o artista português que de forma mais plena assumiu o surrealismo: "não como método ou escola, mas como forma de insurreição permanente, na arte e na vida". Uma característica peculiar da arte de Cesariny é que nela a pintura e a poesia foram sempre aliadas: muitas de suas obras incluem palavras recortadas, conjugações de textos e imagens, e outras formas experimentais. (obtido de http://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1rio_Cesariny e http://cesariny.blogs.sapo.pt/)

 

domingo, 7 de outubro de 2012

Apenas um navio - Lidia Maria de Melo


Apenas um navio

No ano de meia quatro,
no meio do estuário
em frente ao porto de Santos,
o porto de minha infância,
Das barcas e das catraias,
dos navios e rebocadores,
Dos trens e dos armazéns,
onde os botos,
às cinco e meia da tarde,
viraram cambalhotas
enquanto as gaivotas
fisgavam peixes no mar,
avistava-se um navio
velho, preto,
ancorado
próximo à Ilha Barnabé,
que os menos informados
confundiam com um navio comum.
Mas eu e muitas crianças,
que ansiavam
para verem os pais
(confinados),
sabíamos que ele era bem mais
que um navio qualquer
e o culpávamos
pela ausência paterna
nos almoços de domingo,
pela angústia disfarçada nos olhos de nossas mães,
pela melancolia que abraçava
todas nossas brincadeiras,
pela vontade de chorar
sem saber bem o porquê.
Nós já sentíamos tudo
e éramos tão crianças!
Só o que não entendíamos
é que o Raul Soares
era apenas um navio
e não tinha culpa de nada.
Não tinha culpa de ter virado
instrumento repressivo
no ano de meia quatro.



Lídia Maria de Melo. Raul Soares: Um navio tatuado em nós. São Paulo / Santos: Pioneira / Universidade Santa Cecília, 1995. Baixado em 07/10/2012 de: http://www.portogente.com.br/texto.php?cod=69655

Alessandro Atanes tem sido uma boa fonte para o Cargueiro. Poeta e jornalista, com ampla pesquisa sobre a literatura santista. No artigo "Golpe: poesia da exceção", Atanes nos apresenta o poema de Lídia Maria de Melo e informa que  “Apenas um navio” foi escrito em 1982,  na fase final da ditadura. O poema evoca a infância da escritora e "remete a um clima inicial de nostalgia, logo cortado pelo trauma, pela chaga no cais, a presença do navio-presídio Raul Soares no estuário, próximo à Ilha Barnabé... No poema de Lídia não é desolação que presenciamos, e sim a incerteza do Estado de Exceção após o golpe".
Navios foram concebidos como meio de transporte de pessoas e cargas, mas alguns tiveram sina terrível, como os negreiros a transportar escravos e os navios presídios, onde muitos foram confinados, maltratados e mortos. O Raul Soares era um navio misto, de carga e passageiros, de origem alemã que foi incorporado ao Lloyd Brasileiro, utilizado na navegação de cabotagem antes de virar prisão, seu triste fim. (vide “Raul Soares – Tempos de Gloria”, de Humberto de Lima Moraes em http://www.portogente.com.br/texto.php?cod=4824)

sábado, 11 de agosto de 2012

Movimento dos Barcos - Macalé e Capinam

"Estou cansado e você também
Vou sair sem abrir a porta
E não voltar nunca mais
Desculpe a paz que lhe roubei
E o futuro esperado que nunca lhe dei
É impossível levar um barco sem temporais
E suportar a vida como um momento além do cais
Que passa ao largo do nosso corpo
Não quero ficar dando adeus
As coisas passando
Eu quero é passar com elas
E não deixar nada mais do que cinzas de um cigarro
E a marca de um abraço no seu corpo
Não, não sou eu quem vai ficar no porto chorando
Lamentando o eterno movimento dos barcos."


Obtido de: http://letras.mus.br/maria-bethania/1155469/



Macalé e Capinam, parceiros de algumas das mais belas canções da nossa MPB, nos brindaram com esse movimento, qual onda a levar nossas emoções muito além do cais, muito mais que cinzas de paixões, movimento a embalar corações cansados pelo com viver, cansados de temporais a conturbar amores, não quereres,  relações impossíveis, sofreres, movimento a chorar o futuro que não chega. Lamento a beira do cais. É chegada a hora de partir, seguir o movimento dos barcos, da vida!
Por
F@bio

terça-feira, 12 de junho de 2012

1822 - Laurentino Gomes

"Como principal negociadora do reconhecimento do Brasil independente, a Inglaterra se valeu de seu poder econômico e político para tirar vantagem da nova situação. Em 1825, o Brasil já era o terceiro mercado mais importante dos produtos ingleses, graças ao vantajoso tratado comercial assinado por Dom João em 1810 que concedia à Inglaterra tarifas de importação inferiores às de seus concorrentes nos portos brasileiros. O tratado venceria em julho de 1825 e todo o esforço dos ingleses se concentrou em convencer D. Pedro a renová-lo em troca do reconhecimento da Indenpendência. Foi, de fato, o que aconteceu. Além de assegurar a prorrogação das vantagens alfandegárias para seus produtos, a Inglaterra perpetuou no Brasil independente alguns privilégios que gozava com Portugal..."

Transcrito da obra "1822" de Laurentino Gomes, História, pág. 288. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010. O livro tem por subtítulo "como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram D. Pedro a criar o Brasil - um país que tinha tudo para dar errado."

Laurentino Gomes é jornalista, nascido em Maringá - Paraná, com carreira de repórter e editor no jornal O Estado de São Paulo e na revista Veja. É membro da Academia Paranaense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo. Li suas duas obras de jornalismo histórico, que registram dois períodos marcantes da formação do Brasil: 1808 que trata da fuga da família real portuguesa para o Rio de Janeiro, com amplos reflexos na conformação do estado brasileiro e na criação do caldo de cultura que propiciou a declaração de indepedência. Já 1822 aborda o ambiente e as articulações que levaram o País a declarar o rompimento com a metrópole portuguesa, fato caracterizado pelo autor como uma combinação de sorte, improvisação, acasos e também sabedoria das lideranças responsáveis pela condução dos destinos do Brasil, num momento de idealizações, conflitos e perigos. Além de uma escrita ágil, ela é muito rica em informações. Laurentino inclui nos relatos aspectos pouco abordados nos livros didáticos, como a vida sexual e afetiva dos protagonistas de nossa história, idiossincrasias de alguns personagens, visão dos vencedores e dos vencidos no processo que levou à declaração de independência. Demais, o autor relata que o projeto que o levou a escrever o livro surgiu de uma conversa casual com o vice-almirante Armando de Senna Bittencourt, diretor do Patrimônio Histórico e Cultural da Marinha, que fez a seguinte observação para o autor: "É inacreditável como um parte da elite brasileira conseguiu envolver o príncipe regente nos seus planos, separar-se de Portugal e, principalmente, manter o país unido quando tudo indicava que o caminho mais provável seria o da guerra civil e da fragmentação territorial". Realmente esse era o pano de fundo dominante do momento. O que o livro destaca é que sem a liderança de D. Pedro e o estabelecimento do regime monárquico possívelmente não seríamos um só Brasil. Viva o primeiro rei brasileiro!
Por F@bio

sábado, 26 de maio de 2012

Os Velhos Marinheiros - Jorge Amado

Os Velhos Marinheiros - Jorge Amado

"Com a luneta ao olho examinou a cidade, as casas de azulejos portugueses, a pitoresca agitação do mercado Ver-o-Peso, o ancoradouro do Port-of-Pará, onde ia encostar o Ita. Os oficiais de bordo estavam todos na ponte, mesmo o Comissário. O Imediato ditava ordens. O navio aproximava-se. Vasco detinha-se nas bandeiras dos cargueiros e paquetes ancorados: ia o Ita, segundo tudo indicava, ficar ao lado de um cargueiro inglês, mais adiante estava um pequeno navio do Lloyd Brasileiro, um iate vindo da Guiana Francesa, além das gaiolas numerosas. Do barco inglês, marujos loiros saudavam com a mão. O Comandante pensou que sua missão estava finda, pois as máquinas reduziam o ritmo, quase deixando de trabalhar. O navio chegava ao seu destino. (...) Carregadores ofereciam seus serviços, mostravam os números no peito. Tudo correra bem, pensou o Comandante. Foi nesse momento, quando um sorriso de perfeita satisfação abriu-se em seus lábios, que ressoou aos seus ouvidos a voz do Imediato, cercado por todos os oficiais de bordo, o Comissário inclusive:
- Comandante!"

Transcrito de "A Completa Verdade sobre as Discutidas Aventuras do Comandante Vasco Moscoso de Aragão, Capitão de Longo Curso" em Os Velhos Marinheiros, de Jorge Amado (pág. 283). Romance. 23a. Ed. São Paulo: Martins, 1970.

Jorge Amando tem sido a mais rica fonte para este modesto blog, um Cargueiro que navega na rede e tem a pretensão de levar as letras aos internautas. Como o objetivo é que as citações literárias tenham algum elo com o comércio exterior, grande parte delas retratam o universo dos portos e da navegação. O livro Os Velhos Marinheiros tem o subtitulo "duas histórias do cais da Bahia". São duas histórias deliciosas, a do Comandante de Longo Curos citada e Quincas Berro D'Água. As histórias têm como protagonistas duas figuras características do universo ficcional de Jorge Amado, que não abrem mão do direito de comandar seus destinos na terra, sem abdicar do direito de sonhar. O romance alia humor, drama, ternura e sobretudo poesia. Ao final, o narrador indaga aos leitores onde está a verdade: "está naquilo que sucede todos os dias, nos quotidianos acontecimentos, na mesquinhez e chatice da vida da imensa maioria dos homens ou reside a verdade no sonho que nos é dado sonhar para fugir da nossa triste condição? Como se elevou o homem em sua caminhada pelo mundo: através do dia a dia de miséria e futricas, ou pelo livre sonho, sem fronteiras nem limitações?" Esse é o grande Jorge Amado a nos provocar e incentivar a ter um vida menos mesquinha. Salve Jorge!!
Por F@bio

domingo, 13 de maio de 2012

Dois Irmãos - Milton Hatoum

"Uma tarde de domingo, minha mãe me convidou para passear na praça da Matriz. Perto dali, atracados no Manaus Harbour, os grande cargueiros achatavam barcos e canoas, ocultando o horizonte da floresta. No centro da praça não havia mais a multidão de pássaros que encantava as crianças. Agora o aviário que tanto me fascinara estava silencioso. Sentados na escadaria da igreja, índios e migrantes do interior do Amazonas esmolavam. Domingas trocou palavras com uma índia e não entendi a conversa; as duas se benzeram quando os sinos deram seis badaladas. Minha mãe se despediu da mulher, entrou sozinha na igreja, rezou. Depois nós entramos no Manaus Harbour, fomos até a extremidade do trapiche. O porto flutuante estava movimentado, com seus estivadores, guindastes e empilhadeiras. Um homem que andava por ali nos reconheceu e acenou. Era o Calisto, um dos vizinhos do cortiço. Descalço, só de calção, ele esperava uma ordem para descarregar caixas de produtos eletrônicos. Eu não sabia que ele trabalhava aos domingos no porto. Calisto se livrara das garras de Estelita Reinoso, mas agora tinha de agüentar outro peso".

Transcrito de "Dois Irmãos", romance de Milton Hatoum (pág. 240). São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

Milton Hatoum é amazonense de Manaus. Professor de literatura na Universidade do Amazonas e na Universidade da Califórnia (Berkeley). Dois Irmãos é seu segundo romance, ganhador do Premio Jabuti, como o primeiro "Relato de um certo Oriente".

Dois irmãos é a história de gêmeos que, qual Caim e Abel, se digladiam, enquanto o narrador busca sua identidade no seio de uma familia de imigrantes árabes - sírios para ser mais preciso. Os amores e conflitos familiares são o veio de um narrador que busca sua identidade.

O romance tem também, como pano de fundo, o cenário de uma cidade formada por imigrantes, no meio da floresta amazônica, em processo de transformação. A arquitetura e modo de vida iniciado no ciclo da borracha dá lugar ao polo que se industrializa.

Hatoum constrói um texto envolvente com uma escrita prazeirosa e de textura delicada, quase poética. Um texto tão intenso quanto as relações afetivas que situa no coração de uma família de imigrantes.
Por F@bio

domingo, 8 de abril de 2012

Porto - Eduardo Júlio

Porto

"Diante da eternidade deste cais

O silêncio é sobra do abandono


A ausência tem cor azul e dói

Como se não fosse céu

Aquele mar que pretendíamos


O próximo silêncio parece leve

Mas por instantes

Cala uma cumplicidade."


(Poema do livro de poesia Alguma Trilha Além, Edição Secma, 2006, reproduzido em Suplemento Cultural & Literário JP Guesa Errante Anuário, São Luis (MA), n.7, 2009).

Eduardo Júlio, maranhense, poeta e jornalista, nos fala do silêncio que dói em nossos corações, um porto abandonado, sonhos partidos, cais de eternas partidas, amores compartidos, cúmplices...
Por F@bio

domingo, 1 de abril de 2012

A Grande Viagem - Paulo Cesar Pinheiro

O mar tem muito mistério,
A vida muito segredo.
O mar às vezes assusta,
A vida às vezes dá medo.

A gente é só marinheiro,
A vida é como oceano.
No mar tem barco-fantasma,
Na vida tem desengano.

O mar é pura aventura,
A vida é a grande viagem.
Por isso o mar tem quimera
E tem a vida miragem.

O mar é estrada comprida,
A vida é um barco no mar.
O mar vai dar em que vida?
E a vida onde é que vai dar?



Do  livro "Clave de Sal", Editora Griphus. Recolhidos dos sites "releituras" e "sopa de poesia".
Obtido de http://quintalvelho.blogspot.com.br/2011/05/poesia-de-paulo-cesar-pinheiro.html

Paulo César Francisco Pinheiro, carioca, compositor e poeta brasileiro. Já no final da década de 1960, começou a destacar-se como letrista estabelecendo parcerias com Baden Powell, principalmente na voz de Elis Regina. Seu disco de estreia - Paulo César Pinheiro - foi lançado em 1974 e muitos outros trabalhos vieram depois.
A grande viagem é o caminho da vida, que nossos corpos feito navios vão singrando, levados pelo vento, sina ou designo. Se há desengano, medo, susto e segredo, há aventura, descoberta, prazer e alegria. O mar e o amar, viajar levado pela briza do amor....
por F@bio

domingo, 25 de março de 2012

O Captain! My Captain! - Walt Whitman

O Captain! My Captain!

O Captain! my Captain! our
fearful trip is done,
The ship has weather'd every
rack, the prize we sought is won,
The port is near, the bells I hear,
the people all exulting,
While follow eyes the steady keel,
the vessel grim and daring;
But O heart! heart! heart!
O the bleeding drops of red,
Where on the deck my Captain lies,
Fallen cold and dead.


O Captain! my Captain! rise up
and hear the bells;
Rise up--for you the flag is flung--
for you the bugle trills,
For you bouquets and ribbon'd
wreaths--for you the shores a-
crowding,
For you they call, the swaying
mass, their eager faces turning;
Here Captain! dear father!
This arm beneath your head!
It is some dream that on the deck,
You've fallen cold and dead.
My Captain does not answer, his
lips are pale and still,
My father does not feel my arm,
he has no pulse nor will,
The ship is anchor'd safe and
sound, its voyage closed and done,
From fearful trip the victor ship
comes in with object won;
Exult O shores, and ring O bells!
But I with mournful tread,
Walk the deck my Captain lies,
Fallen cold and dead.

Oh Capitão! Meu Capitão

Oh capitão! Meu capitão! Nossa
viagem cheia de medo está acabada;
O navio resistiu a cada tormenta,
o preço que pagamos é a vitória;
O porto está perto, os sinos eu ouço,
as pessoas todas exaltadas,
Enquanto olhos seguem a firme quilha,
o barco sinistro e ousado;
Mas oh coração! coração! coração!
Oh o sangue escorrendo vermelho,
Onde no deck meu capitão jaz,
Abatido frio e morto.

Oh capitão! Meu capitão! Levante
e ouça os sinos;
Levante, para você a bandeira flamula,
para você a corneta soa;
Para você ramalhetes e faixas adornam,
por você as praias estão enchendo;
Por você eles chamam,
a oscilante massa, suas faces ambiciosas mudando;
Aqui capitão! Querido Pai!
Esse braço envolvendo sua cabeça;
Será um sonho?
Você abatido frio e morto.

Meu capitão não responde,
seus lábios estão pálidos e imóveis;
Meu pai não sente meu braço,
ele não tem pulso nem vontade;
O navio está ancorado a salvo e saudável,
a viagem está terminada e feita;
De uma viagem cheia de temores, o navio vitorioso,
adentra com sua missão cumprida;
Exaltem, Oh praia, e toquem, Oh sinos!
Mas eu, com triste passadas,
Ando no deck em que meu capitão jaz,
Abatido frio e morto.

Tradução: Leonardo Meimes


Walt Whitman, nascido em Long Island, Estados Unidos, a 31 de Maio de 1819, foi um poeta, ensaísta, jornalista e humanista estadunidense. Considerado por muitos o maior poeta dos Estados Unidos, é visto como o primeiro poeta urbano. Ninguém como ele até então enalteceu, com versos soberbos, o regime dos Estados Unidos da América, além de ter iniciado a emancipação da literatura do seus país do costume de imitar os europeus.

Obtido de: http://www.miniweb.com.br/Literatura/Artigos/walt_whitman.html

Nestes versos ao feito de capitão libertador, já se vê a semente do tão forte sentimento de americanidade dos nascidos nos EUA. Versos que enaltecem quem deu a própria vida para alcançar a vitória. Lembram o hino nacional brasileiro "ou ficar a pátria livre, ou morrer pelo Brasil!" A nau que alcançou o porto íntegra, já não pode mais contar com seu capitão. Venceu-se a tormenta e a nau é saudada no porto, mas a carga que chega a seu destino é pesada demais, pois nela se encontra o corpo defunto do seu capitão. Essa a beleza lírica de Whitman.
Por
F@bio

domingo, 4 de março de 2012

Cais - Sophia Andresen


"Para um nocturno mar partem navios,
Para um nocturno mar intenso e azul
Como um coração de medusa
Como um interior de anémona.
Naturalmente
Simplesmente
Sem destruição e sem poemas,
Para um nocturno mar roxo de peixes
Sem destruição e sem poemas
Assombrados por miríades de luzes
Para um nocturno mar vão os navios.
Vão
O seu rouco grito é de quem fica
No cais dividido e mutilado
E destruído entre poemas pasma."


Obtido de: http://www.maricell.com.br/sophiandresen/sophia13.htm


Poetisa e contista portuguesa, nasceu no Porto, de família aristocrática, onde viveu até aos dez anos, quando se mudou para Lisboa. De origem dinamarquesa por parte do pai, a sua educação decorreu num ambiente católico e culturalmente privilegiado que influenciou a sua personalidade. Frequentou o curso de Filologia Clássica na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, não tendo todavia chegado a concluí-lo.

Teve uma intervenção política empenhada, opondo-se ao regime salazarista (foi co-fundadora da Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos) e também, após o 25 de Abril, como deputada. Presidiu ao Centro Nacional de Cultura e à Assembleia Geral da Associação Portuguesa de Escritores.

O mar noturno de Sophia Andresen era o regime de Salazar, que entrevou Portugal. Ela foi a luz, com sua poesia delicada e seu ativismo decidido. Portugal, onde os assombrados pelo obscuro regime lançavam-se ao mar também turvo, no cais ficavam os gritos roucos dos que enfrentaram a medusa. Talvez divididos, certamente mutilados. Poemas destruidos.
Por
F@bio







sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Cais - Narciso de Andrade

De: Narciso de Andrade

"1.

Com tanto navio para partir
minha saudade não sabe onde embarcar…

2.

A água comove a pedra
que parece fremir levemente.
Na oscilação breve das marolas
Há homens malogrando olhares
vagos, indecisos, alongados.

3.

(Completa ausência de tempo.
O calendário se desfaz
nas sombras, na brisa e na anatomia
recortada do estuário…).


Cambía todos os tons
esta angústia à flor da água.


4.

Não há gaivotas nem quaisquer
outros pássaros oceânicos.
Todavia, aquela espuma brilhante
sugere o roçar logo de algum.

5.

Vem do passado a romântica
sugestão de velas pandas.
Itinerários de descobertas,
roteiros de constelações,
ilhas remotas habitadas
por estranhos povos inocentes
--- pele morena, olhos ariscos,
porte severo, movimentos puros
de corpos ao vento e ao sol.


6.

Sirene arrepiando
a epiderme do meio-dia.


7.

Silenciosamente pesados
firmam-se nas horas os navios,
fortuitos donos do porto,
transitórios proprietários
de metros de alvenaria
que fazem maior a tristeza
da imensa nostalgia portuária.


Ah! receber todos os adeuses,
todos os abraços, todos os olhares
de ida e volta e permanecer
ancorado na paisagem imutável."



Narciso de Andrade jornalista, advogado e poeta, nascido em São Paulo, mas santista por adoção e adoração. Trabalhou no Diário e em A Tribuna, como jornalista e colaborador. Foi também da Light e Eletropaulo, nesta como advogado. Participou do grupo de poetas chamado "pesquisistas" que tudo investigava sobre literatura e poesia. Foi auto intitulado poetirmão de Roldão Mendes Rosa.
Em seu magnífico poema Cais sentimos vontade de embarcar na poesia de Narciso, ainda hoje inédita em livro. Seus versos são nostálgicos e de uma beleza lírica impar, especialmente revelada em: "Com tanto navio para partir /minha saudade não sabe onde embarcar…"
Por

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Narciso de Andrade, o poeta do vento e das maresias - Adelto Gonçalves

Adelto Gonçalves
...
Por esse tempo [anos 30], Santos destacava-se pelo movimento de seu porto, especialmente por causa das exportações de café. Os corretores atropelavam-se na Rua XV de Novembro com os canudos em que levavam as latas de amostras para a Bolsa de Café, onde em meio a telas de Benedicto Calixto acompanhavam o pregão e as cotações diárias.

O dinheiro escorria pelas ruas do centro antigo e fortunas eram construídas no dia-a-dia da cidade portuária. Seu comércio era intenso: a loja Ao Camiseiro, ao lado da redação de O Diário e quase em frente ao Café Paulista, vestia com gabardine, tropical inglês e outros tecidos finos os corretores de café, os despachantes aduaneiros e seus ajudantes, os fiscais da Alfândega, toda uma classe que ascendia socialmente com os negócios que se faziam em torno das mercadorias que entravam e saíam do porto.
...


Adelto Gonçalves (Brasil). Ensaísta. Autor de Gonzaga, um Poeta do Iluminismo (1999), Barcelona Brasileira (1999) e Bocage - O Perfil Perdido (2003). Contato: adelto@unisanta.br.

Deparei-me com esse ensaio de Adelto Gonçalves na internet (Revista Agulha) que analisa e traça a trajetória de Narciso de Andrade, jornalista e advogado, mas sobretudo poeta. Ia publicar o poema Cais de Narciso, mas achei o texto de Adelto de uma beleza impar e sonoridade poética que resolvi publicá-lo antes do poema. No trecho transcrito, Adelto tece, ou melhor, pinta um lindo quadro da cidade portuária na década de 30. Santos se destacava por ser o principal porto da América Latina no qual era embarcado o café, principal produto de exportação do Brasil que chegou a representar mais de 60% da nossa receita de exportação.
Por 

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Na ponte de comando - M. Segall

Na ponte de comando
da nave que singra as vagas
como a noz que flutua na corrente
a vista comanda a linha do horizonte
avistada no infinito
pelo navegante de todas as eras
que no convés ou tombadilho
tal escultura de pedra
perscruta sem piscar
e migra do longe para o perto
para imergir do fora para o dentro
na hipnose do encontro do céu e mar.

A coragem preparada para o mergulho
na cachoeira do fim do mundo plano

como a flechada da gaivota para o fundo
do oceano turvo de um mundo curvo
sonhando sempre com mistérios e perigos
da descoberta de algum novo porto

Portal de horizontes mais profundos.

Maurício Segall é museólogo, economista e autor de duas peças de teatro premiadas: “A Formatura” e “O Coronel dos Coronéis”, editadas pelo Serviço Nacional de Teatro e pela Civilização Brasileira em 1967 e 1979, respectivamente. É também autor do livro de poemas “Máscaras ou Aprendiz de Feiticeiro”, de 2000. É ainda autor de diversos artigos sobre política e museologia.
Filho do artista Lasar Segall com a escritora e tradutora Jenny Klabin Segall, Mauricio nasceu em Berlim em 1926, onde viveu seus primeiros meses de vida. Em 1954 casou-se com a atriz Beatriz Segall, com quem tem três filhos. Em 1970, Maurício foi preso pelo regime militar brasileiro e condenado a dois anos de prisão em 1973 pelo Tribunal Militar de São Paulo.
Em 1967, ele e seu irmão, Oscar Klabin Segall, fundaram o Museu Lasar Segall. Durante trinta anos, de 1967 a 1997, inclusive nos anos passados na prisão, Maurício Segall esteve à frente da instituição, localizada em São Paulo.
Sua gestão definiu os rumos que até hoje constituem a estrutura e as atividades do museu, que cresceram a partir da incorporação à Fundação Pró-Memória, depois ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, e finalmente ao Ibram/MinC
Obtido de: http://www.cultura.gov.br/brasilidade/agraciados-2010/mauricio-segall/

Mauricio Segall nos leva a navegar como quem, do tombadilho, vislumbra o horizonte. Mar-oceano com suas vagas a nos jogar de cá prá lá, embalando-nos qual a noz que vagueia levada pela corrente/torrente, cachoeira do fim do mundo, a desaguar nalgum lugar distante e profundo, um cais para nos amparar, aportar nosso barco-corpo, um porto novo, um ombro amigo.
Por
F@bio