domingo, 27 de novembro de 2011

Porto do Suape - Mario Quintana

PORTO DO SUAPE
No movimento
lento
dos navios
o dia
sonolento
vai inventando variações da luz...
No cais,
os guindastes,
domesticados dinossauros,
erguem a carga do dia.
As coisas também querem partir.
As coisas também querem chegar.


Obtido de http://www.oocities.org/br/prosapoesiaecia/quintanamestres.htm

Mais uma desse Grande mestre do lirismo, Quintana, que poetisa o porto de Suape, o novo porto de Recife, moderno e estratégico porto nordestino que acredito será um do maiores do País.
Quintana isso já percebera e traçou seu brado poético: É preciso movimentar os navios e os guindastes, mexam-se estivadores, liguem suas máquinas, pois as cargas também querem ter o direito de ir e vir!
Por
F@bio