sábado, 5 de novembro de 2011

Mar Morto - Jorge Amado

“Guma viu quando o cargueiro alemão entrou. Eram três horas da tarde, ele estava no saveiro. O cargueiro não atracou, enorme para o cais, ficou fora, soltando rolos de fumaça. De cima do “Paquete Voador” Guma enxergava luzes do navio. (...)

Ouve o salto de Toufick. Vem outro árabe com ele. Esse traz um cachecol enrolado ao pescoço apesar do calor. Toufick apresenta.

- Sr. Haddad.

- Mestre Guma.

(...)

Os dois árabes sentaram no madeirame do saveiro e começaram a trocar língua. Guma fumava silenciosamente ouvindo a cancão que vinha do forte velho:

“Ele ficou nas ondas

Ele se foi a afogar”

(...)

Meia-noite mais ou menos Toufick disse:

- Podemos ir.

Suspendeu a âncora do saveiro (Haddad ficou olhando as suas tatuagens), levantou as velas. O barco depois da manobra ganhou velocidade. As luzes do navio apareciam. Recomeçou a toada no forte velho. Naturalmente Jeremias cantava para a lua nessa noite de tantas estrelas. Iam silenciosos no saveiro. Já estava  bem perto do navio quando Toufick disse:

- Pare.

O “Paquete Voador” parou. A uma ordem de Toufick, Guma arriou as velas. O casco do saveiro jogava lentamente. Haddad assoviou de um modo especial. Não obteve resposta. Tentou novamente. Da terceira vez ouviram um assovio que respondia.

- Podemos ir – disse Haddad.

Guma tomou dos remos e não levantou as velas. O saveiro contornou o navio, foi atracar no seu casco, do lado que dava para Itapagipe. Uma cabeça apareceu. Conversou com Haddad numa língua também estranha para Guma. Logo desapareceu. Depois veio outro. Nova conversa. Haddad mandou que o saveiro se adiantasse um pouco mais. Foram encostar junto a uma larga abertura. E dois homens começaram a descer peças de seda que Guma e Toufick iam arrumando no porão do saveiro. Não foram perturbados.

Se afastou lentamente do navio. Já longe, depois de ter atravessado o quebra-mar, abriu as velas e correu de lanterna apagada. O vento o ajudava, chegou rapidamente ao porto de Santo Antônio. Apenas as ondas eram bem mais altas, o mar menos calmo. Mas o “Paquete Voador” era um saveiro grande e resistia bem. Toufick comentou:

- Chegamos depressa.

Homens já esperavam o saveiro...”



Transcrito de “Mar Morto”, de Jorge Amado. 45ª. Ed. Págs. 197 a 199. Romance. Rio de Janeiro: Record, 1978.



Jorge Amado cria em seu romance Mar Morto uma história em que o protagonista, Guma, em face das dificuldades, acaba se rendendo à oferta de um comerciante para participar de um desembarque de uma carga ilegal, numa cena de contrabando, ou na linguagem tecnicamente correta, descaminho.

Mar Morto trata de transição entre o antigo sistema de desembarque ainda herdado do tempo dos veleiros, sendo substituído pela navegação a vapor, com seus “rolos de fumaça”. Guma cresce no cais e mantêm a tradição trágica dos mestres de saveiros, velhos marinheiros que desafiam os perigos do mar e os encantos de Dona Janaína, Princesa das terras de Aiocá.

Guma, cuja destreza se consagrou ao salvar um navio perdido em dia de tempestade, enfrenta dificuldade com os baixos e escassos fretes pagos aos saveiros e tem de buscar uma alternativa para sustentar sua mulher e filho. A sedução do submundo se apresenta e ele aceita participar do desembarque de uma carga ilegal para ter como pagar dívidas e melhorar de vida.

Mas, os marinheiros vivem entre os atos heróicos e os desafios da natureza e da rainha do mar. Guma é mestre de reconhecida habilidade, que não se amedronta diante da ira de Iemanjá. Porém isso não basta, “pois o mar é mistério que nem os velhos marinheiros entendem”.
Por F@bio