domingo, 23 de outubro de 2011

Terras do sem fim (2) - Jorge Amado

"Uma ordenança municipal proibia que as tropas de burros que traziam cacau chegassem até o centro da cidade. As ruas centrais de Ilhéus eram calçadas todas elas e duas o eram de paralelepípedos, num sinal de progresso que inchava de vaidade o peito dos moradores. As tropas paravam nas ruas próximas à estação e o cacau entrava na cidade em carroças puxadas por cavalos. Era depositado nos grandes armazéns próximos ao porto. Aliás, uma grande parte do cacau que chegava a Ilhéus para ser embarcado não descia mais no lombo de burros: vinha pela estrada de ferro ou baixava em canoas, desde Banco-da-Vitória, pelo rio Cachoeira que desembocava no porto.
O porto de Ilhéus era a preocupação maior dos moradores. Naquele tempo existia apenas uma ponte onde atracar os navios. Quando coincidia chegar mais de um navio na mesma manhã, a mercadoria de um deles era desembarcada em canoas. Porém já se fundara uma sociedade anônima para beneficiar e explorar o porto de Ilhéus, falava-se em construir mais pontes de atracação e grande docas. Falava-se também, e muito, em melhorar a entrada perigosa da barra, em fazer vir dragas que a aprofundassem.
Ilhéus nascera sobre ilhas, o corpo maior da cidade numa ponta de terra, apertado entre dois morros. Ilhéus subira por esses morros - o do Unhão e o da Conquista - e invadira também as ilhas vizinhas. Numa delas ficava o arrabalde de Pontal onde a gente rica da cidade tinha suas casas de veraneio. A população crescia assustadoramente desde que a lavoura de cacau se estendera. Por Ilhéus saía para a Bahia quase toda a produção do sul do estado. Havia apenas um outro porto - Barra do Rio de Contas - e esse era um porto pequeniníssimo, onde só os barcos a vela davam calado. Os moradores de Ilhéus sonhavam em exportar algum dia o cacau diretamente, sem ter que mandá-lo para a Bahia. Era assunto que já estava sempre nos jornais: o aprofundamento da barra, que não dava passagem a navios de grande calado."

Transcrito de "Terras do Sem Fim", de Jorge Amado. Romance. Pag. 200. 71a. Ed. Rio de Janeiro. Record, 2002

Mais uma vez Jorge Amado nos brinda com uma prosa que remete ao comércio exterior. Fala de Ilhéus e seu porto antigo, de uma só ponte e calado raso. Não conheci esse velho porto de que fala Amado, mas sim o novo que materializou o sonho dos moradores daquela cidade do sul-bahiano. Um  porto feito com a riqueza gerada pelo cacau, antes que  o ciclo de baixa se instalasse, ciclo que foi agravado pela doença conhecida como vassoura-de-bruxa. A cena descrita por Jorge Amado remete aos primórdios do Século XX e apresenta a logística peculiar de então que era usada para o transporte do cacau: tropas de burros, carroças puxadas a cavalo, estrada de ferro ou canoas, armazéns das docas, cais do porto e sua única ponte, navio de cabotagem que seguia para Salvador onde era embarcado para o exterior em navios de longo curso. Essa é a segunda postagem que faço a partir do livro Terras do Sem Fim, um faroeste cabloco, cheio de aventuras e desventuras, que historia a renhida luta dos Badarós e Horácio.
Por
F@bio