segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Poesia no Cais do Porto - Fernanda de Aquino

De: Fernanda de Aquino

"No meio do cais do porto, eu o descobri. Ele estava vestido de tanta gente, de sons indecifráveis, de letras incoerentes... No meio de tanta gente eu o vi descobrindo-me, encontrando meu olhar ávido por cima do ombro de um desconhecido. Seu olhar! Rendi-me na hora.

Eu não sabia direito como fora parar ali. A palestra estava começando e as pessoas já se amontoavam, se acotovelando em busca de um bom lugar, algumas para verem os famosos de perto, outras para serem vistas por sei lá quem pudesse ser.

Atada por sete nós, no mínimo, eu permaneci sentada numa cadeira dura, sob uma garoa fina e fria, sem beber, sem comer, sem falar. Fenilalinina pura, meu ser virou bruma, misturou-se com a maresia e passeava livre, do navio ao palco, do mar ao cais, voltando sempre ao mesmo lugar: seu olhar! Eu não via suas pernas, no tamanho exato para me alcançar, nem seus dedos longos e ágeis tamborilando seu joelho esquerdo. Ou era o direito? Eu via somente o seu olhar me tomando forte em seus braços, me dizendo coisas que eu precisava ouvir. Coisas de amor, doces mentiras. E afagos, muitos, por todo o meu corpo, eriçando meus pelos, meus mamilos, me aquecendo e de repente me atirando num abismo profundo, escuro, sem fim e depois me buscando novamente para em seguida me atirar outra vez. E mais outra.

O guindaste fingia trabalhar duro enquanto a poesia se derramava no cais do porto. Foram quase três horas carregando contêineres de paixão. Um amigo me disse um dia que detestava quando seus hormônios estavam erupcionando porque ele se metia em cada roubada...

Tão logo terminasse aquela verborragia desenfreada eu iria até ele, de corpo e alma. Diria quem eu sou, de onde vim e o que quero além do seu olhar. Era o que faria. E se ele, sentindo meu corpo tão perto, meu cheiro, minha voz falseada de naturalidade, recuasse... e seu olhar me dissesse “eu não te conheço, nem nunca te vi”.

Talvez naquele momento em que ele esticara o pescoço e me fitara dizendo “eu estou aqui, não se perca de mim”, não fora para mim. Ele me acertara sem querer quando mirava a sua namorada sentada atrás de mim. Eu era a primeira da fila, todos estavam atrás de mim. Não havia um caminho para o seu olhar ir onde quer que fosse sem passar por mim. E sempre que passava, eu o prendia por alguns instantes. Talvez ele nem tenha se dado conta disso. Poderia ser ainda um namorado aquele moço, quase um menino, que segurava seus livros com visível dedicação. Pior do que isso, o menino poderia ser o seu amor que esperava pacientemente seu amor fazer poesia a alheios, pensando enquanto isso, no quanto ele era sensível e inteligente e no quanto eram felizes aqueles dois.

O sutiã me apertava uma cicatriz antiga no lado esquerdo do peito. Doía. Olhei para a noite e chorei. Lembrei-me que teria que higienizar muito bem minhas pálpebras antes de dormir. Meu oftalmologista dissera que minhas lágrimas eram tóxicas. Que merda!"

Obtido de: http://www.correiodolitoral.com/index.php?option=com_content&view=article&id=304:no-meio-do-cais-do-porto&catid=55:maresia&Itemid=112

Fernanda de Aquino nos traz uma poesia cheia de tesão e paixão. Foi publicada pelo Correio do Litoral, diário eletrônico do litoral do Paraná do dia 15 de fevereiro de 2009. Hoje são 14 de fevereiro, quase uma coincidência de data. No Correio pode-se encontrar muitas outras poesias de Fernanda.
Todos nós, um dia, nos deparamos com um olhar instigante, que nos desperta um sentimento que cresce por dentro. Um desejo que vai subindo e nos queimando. Descobrir e ser descoberto. Olhares que se cruzam, dedos que se tocam, pele que se eriça, guindaste que se levanta de tesão, conteinêres de paixão contida no peito. Ah, o amor...
Por F@bio