quarta-feira, 16 de junho de 2010

Profissões Exóticas - João do Rio

"O cigano aproximou-se do catraieiro. No céu, muito azul, o sol derramava toda a sua luz dourada. Do cais via-se para os lados do mar, cortado de lanchas, de velas brancas, o desenho multiforme das ilhas verdejantes, dos navios, das fortalezas. Pelos bulevares sucessivos que vão dar ao cais, a vida tumultuária da cidade vibrava num rumor de apoteose, e era ainda mais intensa, mais brutal, mais gritada, naquele trecho do Mercado, naquele pedaço da rampa, viscoso de imundícies e de vícios. O cigano, de fraque e chapéu mole, já falara a dois carroceiros moços e fortes, já se animara a entrar numa taberna de freguesia retumbante. Agora, pelos seus gestos duros, pelo brilho do olhar, bem se percebia que o catraieiro seria a vítima, a vítima definitiva, que ele talvez procurasse desde manhã, como um milhafre esfomeado.
...
Nos botequins, fonógrafos roufenhos esganiçavam canções picarescas; numa taberna escura com turcos e fuzileiros navais, dois vilões e um cavaquinho repinicavam. Pelas calçadas, paradas às esquinas, à beira do quiosque, meretrizes de galho de arruda atrás da orelha e chinelinho na ponta do pé, carregadores espapaçados, rapazes de camisa de meia e calça branca bombacha com o corpo flexível dos birbantes, marinheiros, bombeiros, túnicas vermelhas e fuzileiros - uma confusão, uma mistura de cores, de tipos, de vozes, onde a luxúria crescia."

Transcrito de "Pequenas Profissões" em "A Alma Encantadora das Ruas: Crônicas", de João do Rio (págs. 54 e 59). Org. Raúl Antelo. Crônica.  São Paulo : Companhia das Letras, 2008. (originalmente publicada com o título "Profissões Exóticas" na Gazeta de Notícias do Rio de Janeiro em 06/08/1904).


João do Rio, pseudônimo de Paulo Barreto (1881 - 1921), foi o grande cronista da cena carioca no início do Séc. XX. Com seu humor refinado retrata uma cidade em transformação. Assumindo-se republicana, a antiga capital da corte passa por intensa reforma urbanística. João do Rio foi um observador atento das ruas, das gentes, das coisas, da urbe. Um andarilho das ruas por excelência que relatou com picardia os hábitos e estilos de vida do carioca.
João descreve a região do porto do Rio, a Gamboa no início do século passado, destacando a cidade viva e pulsante (tumultuária e apoteótica).  Lança luz especial sobre os tipos que fazem da beira do cais seu habitat:  catraieiros (barqueiros), carroceiros, carregadores, marinheiros, fuzileiros, bombeiros e meretrizes. Desenha uma cena que permanece atual nas zonas degradas do cais do Rio (pedaço da rampa, viscoso de imundícies e de vícios), mas na qual o sol continua derramando sua luz dourada.

Por F@bio