terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Rio das Flores - Miguel Sousa Tavares

"-Nós não vamos fazer negócios com Hitler. Acabaram-se as exportações para a Alemanha. Vamos fazer negócio com as nações que entrarem em guerra contra a Alemanha e com as que ficarem de fora. Com a Inglaterra e a França, seguramente.
- Com Portugal...
- Não sei onde é que Portugal ficará: se com a Inglaterra, se com Hitler, se em lado nenhum. Mas se ficar com os nazis, também não faremos negócios com Portugal.
   Aguinaldo olhou-o, impressionado: as coisas iam mudar. Será que para melhor?
- Bem, então, doutor, temos mesmo que pensar, não é?
- O que precisará uma Europa em guerra, Aguinaldo?
- Armas...
- Sim, armas, claro. Mas nem o Brasil as produz nem nós somos traficantes de armas. Esqueça tudo o que não é produzido aqui ou que não é essencial. O café, o açúcar, as frutas tropicais, nada disso é essencial. Se, de facto, houver guerra, como eu creio, a devastação na Europa vai ser tamanha, que as pessoas vão lutar desesperadamente apenas para viver com o essencial. E o que será então o essencial? Remédios e aparelhos clínicos para tratar os feridos, mas isso o Brasil não produz. Navios, comboios etc., é igual. O que resta?
   Aguinaldo coçou a cabeça preocupado: alguma coisa tinha de restar ou a Atlântica desapareceria nos escombros da anunciada guerra européia.
- Resta comida, senhor Aguinaldo!
- Sim, a comida. Imagine a Alemanha, a França, a Inglaterra, todos envolvidos na guerra, com todos os homens mobilizados e, se calhar, também as mulheres. Quem vai tratar da agricultura?
  Aguinaldo assentiu, impressionado com a inteligência do patrão.
- Comida, é claro! Como não pensei nisso!
- O Brasil não produz cereais como o trigo, o arroz, o milho, em quantidades suficientes e preços concorrenciais para podermos exportar. Mas produz outras coisas.
- Produz outras coisas... - Aguinaldo esforçava-se para se lembrar de alguma, antes que Diogo o dissesse, mas não conseguiu.
- Feijão e carne, senhor Aguinaldo! Feijão e carne.
- Feijão e carne! Caramba, feijão e carne!
  O rosto de Aguinaldo Baptista brilhava agora de felicidade. Feijão e carne, quem diria? Bendita guerra européia que aí vinha.
...
   Terminado o pequeno-almoço, descia até à porta do hotel, onde, às oito e trinta em ponto, 'seu' Aguinaldo vinha apanhá-lo para levar aos escritórios da Atlântica no centro, no Chevrolet azul-escuro que ele comprara para o serviço da empresa e que fizera Aguinaldo Baptista acreditar definitivamente que, agora sim, agora a firma estava em fase de investimento e expansão. E estava: Diogo pusera ordem e estratégia em todos os setores do negócio - fornecedores, armazenamento de produtos, fretação de carga em navios, expedição alfandegária, contratos e pagamentos dos clientes no destino, relações com bancos, escrituração e contabilidade. Cada empregado tinha agora tarefas claras estabelecidas e sabia exactamente o que fazer e que resultados se esperavam de si. O negócio de exportação de 'gado de corte', como diziam os brasileiros, era agora a grande aposta de Diogo. Para isso, era absolutamente indispensável que os fornecedores não falhassem - nem no prazo, nem na quantidade, nem no preço, nem na qualidade."

Transcrito de "Rio das Flores" (pág. 342 a 344 e 394 a 395). Romance. Autor: Miguel Sousa Tavares. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

Em Rio das Flores, Miguel Sousa Tavares constrói um romance que retrata o interior dum Portugal republicano, no entre-guerras, e o antagonismo das opções políticas e de vida de dois irmãos fazendeiros. Fatos reais misturam-se à saga ficcional de uma família de fazendeiros alentejanos, numa misto de jornalísmo e ficção. Após desentender-se com o irmão e com os rumos políticos adotados pelo regime de Salazar, Diogo muda-se para o Rio de Janeiro, em plena ditadura Vargas, para resgatar a empresa de exportação que havia constituído com um sócio alemão que tivera que retornar à Alemanha nazista. Ao chegar ao Rio, Diogo encanta-se com a cidade e exercíta com sucesso sua habilidade para os negócios, a exemplo do que fizeram os inúmeros portugueses que pra cá vieram. Uma impressionante leva de lusos que emigraram para o Brasil e "que agora procuravam na antiga colónia um futuro negado na pátria exangue que haviam deixado para trás"(pág. 376). Na sequência de Equador, Sousa Tavares conta um pouco da história de Portugal e do Brasil, na qual o comércio exterior aparece mais uma vez e acima apresento um breve recorte. Curioso é perceber que no texto ele inverte a situação presente nas piadas contadas em nosso país, colocando o brasileiro como o parvo ou pouco inteligente. 
por F@bio