sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Poema ao Cais e aos Navios - J.G. de Araújo Jorge

"Às vezes gosto de flanar à toa pela beira dos cais,
nas horas de descanso ou pela noite a dentro
quando tudo está em paz...
- nos cais onde há guindastes curvos, pensativos,
e navios parados que descansam, quietos,
e navios que partem, fumegantes, vivos...

(Onde há navios parados que descansam, quietos
sobre o mar,
- deixando nas chaminés suaves restos de fumo
como as volutas azuis de um cigarro
abandonado a se queimar...

Navios dionisíacos que partem num desafio
em cada viagem,
indiferentes aos ventos que cantam nos conveses
e ao choque das procelas,
- navios que lá se vão, dias, semanas e meses,
herdeiros das tradições de arrojo e de coragem
que vem de muito longe no bojo das caravelas!

E guindastes monstruosos de esqueletos de aço
recurvos e humildes diante do mar,
- parecem multidões de escravos, em fila,
e que dormissem de pé
cansados de trabalhar...)
..............
Há uma floresta flutuante ao longo de todo o cais,
floresta de mastros nus, de velas enroladas
no bojo dos veleiros que flutuam em paz
e parecem mortos...
- suas sombras se alongam, em fantásticas sombras
nas águas sujas e oleosas, nas águas tristes dos portos...

Que coisas terão visto os olhos daquele marujo
displicente
a enrolar grossos cabos no convés?
- que sóis terão tostado a sua fronte de cobre?
- que chãos terão pisado os seus enormes pés?

(... esse estranho marujo de enormes pés inchados
e um ar paradoxal
de rudeza e abstração,
é preciso que o declare:
- parece que fugiu de algum painel mural
de Portinari...)

Mania essa que eu tenho de andar atrás dos navios
procurando em suas bandeiras multicores
as suas almas distantes,
- almas que vem e vão, nos olhos dos marinheiros
itinerantes!
- e às vezes ficam conosco, nos olhos nostálgicos
dos imigrantes!

Mania essa que eu tenho de acompanhar os navios
como as gaivotas,
elas no ar, em revoadas que se vão deixando
para trás,
- eu, a imaginar seus destinos e rotas
perambulando sem rumo à beira dos longos cais!

Oh, a inveja que tenho desses rudes marujos
de olhos cismadores
que têm os braços tatuados de lembranças efêmeras
em figuras grotescas e infelizes,
- ob, a inveja dos marinheiros e dos pescadores,
que lá se vão mar além, a alma aberta nas quilhas!
aventureiros e sonhadores
de todos os países!
..............
Navio que vens de longe, de que lugares vens?
Navio que vais pra longe, afinal pra onde vais?
- Leva a mensagem de minha alma a um prisioneiro qualquer
que perambule à toa, tal como eu, a sonhar
à beira de outros cais!

   (Poema de J. G. de Araujo Jorge
extraído do livro Cânticos - 1941)


Obtido em http://www.jgaraujo.com.br/index.html


José Guilherme de Araujo Jorge (1914 - 1987), nasceu no Acre, mas fez carreira no Rio de Janeiro onde militou na política estudantil, no jornalismo, nas letras, no rádio e na política (foi deputado federal pela Guanabara). Conhecido como Poeta do Povo e da Mocidade. No "Poema ao Cais e aos Navios" aborda com grande lirismo o ambiente do cais e da navegação, naus de bandeiras coloridas que vão levando cargas e marujos pelo mundo, liberando seu fumo no ar, rasgando mares, flutuando oceanos, sonhos que a brisa faz perambular pelos portos do mundo, flâmulas flutuantes a procura de um cais. 
por F@bio