terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Equador - Miguel Sousa Tavares

"O Zaire fundeou na baía de Ana Chaves, de frente para a cidade, a cerca de quinhentos metros do molhe que defendia a avenida marginal das águas do Atlântico. Não havia porto nem sequer um cais de amarração na cidade de S.Tomé: carga e passageiros transladavam-se a terra em simples chatas a remos que, quando o mar estava batido, tornavam aquela curta travessia mais aventurosa do que a propria viagem através do vazio do oceano. 
Luís Bernardo estava, como todos os passageiros e tripulantes, encostado à amurada, contemplando a cidade e a agitação humana que se divisava junto à zona de desembarque.
O Zaire havia saudado terra com três apitos estridentes que se deviam ter escutado em toda a ilha, indicação tradicional de “governador a bordo”. De terra, tinham respondido com outros três apitos vindos da Capitania e uma salva de dezessete tiros disparados da fortaleza de S. Sebastião. De repente, parecia que toda a cidade começara a convergir para o molhe.


Transcrito de “Equador” (pág. 121). Autor Miguel Sousa Tavares. Romance. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004.


A cena descrita por Miguel Sousa Tavares, da rica leva contemporânea de novos romancistas portugueses, é de um porto sem cais, bem no início do Séc. XX, em São Tomé, à época colônia lusitana produtora de cacau, situada na Costa da Guiné, África Ocidental. Um navio misto (meio cargueiro, meio de passageiros) chega à cidade. A chegada do navio vindo da metrópole já era motivo de alvoroço, que ganhou maior relevo por estar entre os passageiros o novo governador da província. Porto era baía, sem cais, sem deque, sem ponte de acesso à nau.